Pular para o conteúdo principal

Surgem novas profissões que serão as últimas a terem cortes

Diretor de e-commerce e controller já fazem parte da nova realidade de empresas brasileiras

Controller, diretor de complience e business intelligence manager. Muita gente pode nunca ter ouvido falar dessas profissões, mas hoje, em plena crise, elas estão em alta. E em uma lista de cortes, provavelmente estariam entre os últimos a serem mandados embora. “São funções que vão em linha com a redução de custos e a otimização de receita, portanto, têm menos chances de serem cortadas agora”, analisa André Nolasco, diretor da Michel Page, consultoria especializada em recrutamento.

Na área da controladoria, Nolasco destaca os cargos que monitoram os indicadores internacionais, buscam alternativas tributárias e fazem a empresa funcionar melhor. “Eficiência e produtividade são palavras de ordem, principalmente na crise”, ressalta. Ele afirma que é preciso redobrar a atenção em relação aos custos. “Será que é eficiente, por exemplo, uma reunião improdutiva? Uma videoconferência pode cortar despesas de viagem e, naquele tempo em que a pessoa estaria se deslocando, ela pode estar produzindo mais”, afirma.

Formada em contabilidade, Márcia Elisa Antunes é gerente de controladoria da Forno de Minas. Ela é responsável pelas áreas de planejamento fiscal, financeiro, custos e orçamento. “São áreas estratégicas e minha função é identificar o que pode ser melhorado e analisar cada situação para embasar as tomadas de decisões. Com um bom planejamento tributário, é possível buscar brechas para recolher menos tributos, sem descumprir as leis”, explica.

Outras profissões menos suscetíveis à crise são as ligadas ao desenvolvimento de processos e negócios, engenharia de produção e ao business intelligence. “São importantes porque ajudam a desenvolver novos produtos e dão suporte com informações de mercado para ajudar no avanço sobre a concorrência ou em direção a um nicho onde a demanda esteja maior”, diz Nolasco.

O cargo de diretor de e-commerce também tem uma certa blindagem. O professor de comércio eletrônico do Cotemig, Bruno da Costa Pedra, explica que esse é um profissional muito completo, que concentra tanto conhecimento de mercado e tem um olhar para tecnologia e para estratégia. Ele está à frente deste cargo na Empório Veredas, distribuidora de cervejas artesanais que conta tanto com atacado como com vendas online. “Nessa hora de crise, o e-commerce é o setor que não deve ser cortado. Pelo contrário, deve até receber investimentos, pois se as vendas do comércio estão em queda, o e-commerce rompe barreiras físicas porque permite vender para vários lugares”, avalia.

Cenário dobra tempo médio de recolocação

O tempo médio de recolocação no mercado de trabalho praticamente dobrou em relação ao ano passado. “Antes, para as posições de média e alta direção, víamos executivos demorando cinco meses e, hoje, a demora chega a um ano. Para média gerência, antes demorava três meses e agora demora, em média, seis”, avalia o diretor da Michel Page, André Nolasco.

“O que podemos afirmar com certeza é que, se antes muita gente tinha intenção de trocar de emprego, buscando uma vaga melhor, agora a preocupação mais comum é se manter no atual cargo”, destaca Nolasco.

Queila Ariadne / O Tempo

Fonte: O TEMPO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…