Pular para o conteúdo principal

SPED | Mundo Digital | Backup e sobrevivência empresarial


Por Carlos Meni | www.administradores.com.br

Não se trata de uma palavra da moda no mundo corporativo, mas de uma necessidade inerente ao avanço tecnológico do qual desfrutam empresas, administrações tributárias e até mesmo o consumidor pessoa física. O backup de dados faz parte do cotidiano de todos, ou ao menos deveria.
Sua importância extrapolou as fronteiras das empresas, e deve estar previsto nas contingências anuais, não como gasto, mas como investimento. Digo isto por conta de diversos exemplos fatídicos ocorridos na história recente, que mostram a fragilidade da guarda de informações estratégicas.
Do episódio do World Trade Center, nos EUA, em 11 de setembro de 2001, passando pelo desabamento dos edifícios no Rio de Janeiro, em 25 de janeiro, até o desmoronamento de lajes num prédio comercial de São Bernardo do Campo, na noite do dia 6 de fevereiro, muitas empresas simplesmente perderam informações importantes, ou mesmo sumiram do mapa, assim como as diversas vidas ceifadas.
Como garantir que mesmo com fatalidades imprevisíveis uma empresa possa continuar operando no menor espaço de tempo? No Rio, por exemplo, há diversos empresários "sem-teto", pedindo ajuda à Prefeitura para voltar às atividades normais.
É interessante vermos como as grandes empresas tratam seus planos de contingência e modelam as diversas políticas de segurança, às vezes não tão seguras como no exemplo das torres gêmeas, onde a maioria das empresas mantinha seus backups na torre ao lado da qual estavam sediadas. Ou seja, com a destruição das torres, os backups que continham a vida da empresa, desapareceram.
Uma das histórias de empresas que estavam no prédio, no Rio de Janeiro, são exemplos reais que precisamos saber. A companhia realizava o procedimento de backup corretamente, mas justo no dia do desabamento, um dos funcionários precisou levar o HD para a sede. Com o equipamento dentro do prédio no momento do acidente, tudo foi perdido.
Ao analisar tal episódio, precisamos fazer alguns questionamentos. Se amanhã, ao chegar perto do local da sua empresa, verificar que ocorre um incêndio que a afetará, qual processo foi definido para resguardar as informações que estão fisicamente nela localizadas?
Existe algum backup de processos críticos, localizado fora da empresa? Esse backup é valido? Existe alguma rotina para realizar testes de recuperação? E, na pior das hipóteses, se houver perda de dados, o que fazer daqui para frente? A empresa sobreviverá após a perda das informações? Qual o período máximo que poderá ficar indisponível?
Estes questionamentos precisam ser feitos, e necessitam de respostas para garantir a continuidade de qualquer negócio. Por que pagamos seguro para nossos automóveis? Para não usarmos, pois ninguém quer bater ou ser roubado, mas nos preocupamos com nosso patrimônio, investimos em sua segurança.
Ora, para as empresas, investir tempo e dinheiro é fundamental para garantir a segurança das suas informações e a continuidade das operações. Eis a diferença entre sorte e azar. É essencial não deixar sua empresa despreparada para sobreviver a toda a sorte de incidentes.
Afinal, o tempo passa, deixamos para o segundo plano, e esquecemos.
Carlos Meni é presidente da Prosoft Tecnologia

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…