Pular para o conteúdo principal

SPED | Cadastros desatualizados geram desperdício de recursos nas empresas


Por Pollyana Flores Maciel
É impossível mensurar as perdas de receita que as empresas têm por conta de cadastros de clientes, mercadorias e fornecedores desatualizados e pessimamente geridos, mas certamente milhões de reais vão pelo ralo todos os anos no Brasil. O alerta do diretor de franquias da Prosoft Tecnologia, Iron Garrido.
A ineficiência em manter um banco de dados desta natureza passa por diversos aspectos. Além da própria falta de experiência dos empresários em lidar com cadastros, os profissionais responsáveis por mantê-los atualizados e limpos também não obtêm êxito, seja pelo desconhecimento sobre o tema, o software em questão ou mesmo por desinteresse.
“Com a implantação do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e o crescimento no ritmo das informações trocadas entre as empresas e o Fisco, ter bancos de dados atualizados e saneados cotidianamente, apesar de representar custos, é essencial para a sobrevivência da companhia, visto que atende às demandas das áreas fiscal, tributária e contábil”, argumenta.
O especialista afirma que ficou para trás o tempo em que o empresário achava importante apenas controlar os processos decorrentes do setor financeiro, como idas ao banco, contas a pagar e a receber, vendas, compras, estoque, emissão de cupons fiscais e notas.
“Com o projeto SPED, o empresário precisa ter muito cuidado com as informações geradas em seus sistemas, e depende do contador para auxiliá-lo e orientá-lo em seu negócio. Afinal, empresas desorganizadas precisarão passar por um processo de reestruturação urgente, se ainda pensam em garantir sua continuidade”, prevê o executivo da Prosoft Tecnologia.
Garrido aponta os erros mais comuns na gestão de cadastro, como a inserção múltipla de um mesmo produto no sistema, invariavelmente com descrições completamente diferentes. E, mais grave, acabam até cadastrando itens com substituição tributária como se fossem tributados ou isentos.
“O saneamento de cadastros não é uma tarefa tão simples quanto pode parecer. A experiência mostra que as empresas acabam subestimando a importância do assunto e, na maioria das vezes, não têm a visão clara da abrangência do trabalho a ser efetuado”, ressalta Garrido, reforçando que alguns Estados e municípios já estão impedindo em tempo real a venda de produtos e serviços para empresas com pendências.
Para o diretor da Prosoft Tecnologia, este é um trabalho recorrente a ser realizado no âmbito empresarial. Muitos contadores, por exemplo, já estão usando softwares que realizam análises das informações, inovação que os auxiliam a mostrar para seus clientes erros nas informações geradas. “O mais importante é a consciência do empresário de que estes ajustes devem ser feitos o quanto antes”, salienta.
Prosoft Tecnologia
A Prosoft provê soluções completas de gestão empresarial baseadas em recursos de TI, processos e tratamento da legislação fiscal, trabalhista e tributária, para empresas contábeis e seus clientes, com presença em todo o território nacional, oferecendo segurança e resultados por meio de recursos avançados, ética e respeito às pessoas e empresas. Atualmente com uma carteira composta por mais de 30 mil clientes, a companhia tem cerca de 150 mil usuários e recebe o apoio de uma rede de mais de 60 franquias estrategicamente nas maiores cidades brasileiras.

Postado por Pollyana Flores Maciel emwww.joseadriano.com.br

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…