Pular para o conteúdo principal

Programas visam facilitar vida de empresas no Sped

São Paulo – O nível de detalhamento de dados existente no Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) exigirá que as empresas, principalmente as de pequeno porte, revejam a tecnologia não só para contabilizar compras e vendas, como também referente a seus funcionários.

De acordo com especialistas consultados pelo DCI, mesmo as empresas optantes do regime de tributação Simples Nacional – desobrigadas de cumprir a maioria das adequações do Sped – devem verificar se seus softwares ou seus programas de gerenciamento de dados podem ser adaptados ao sistema de escrituração.

“Esse [verificar os programas] é o primeiro passo que deve ser feito. Ou seja, consultar o fornecedor do software. O sistema não pode ser capaz só por emitir notas, mas o Sped exige, por exemplo, o código de tributação de cada produto. Quem verificará isso é o contador, mas o empresário deve participar de todo processo”, alerta o diretor da Wolters Kluwer Prosoft, Iron Garrido.

Na avaliação do diretor de Conhecimento e Tecnologia da Decision IT, Mauro Negruni, “o melhor” também não é esperar um cronograma da Receita Federal para essa adaptação. “Isso porque quando o fisco começar a exigir isso, a empresa já estará preparada. Além disso, os empresários devem pensar que é um investimento para a melhoria da gestão. E se pensar desta forma, a adequação deve ser feita o quanto antes”, sugere o diretor.

Especialistas comentam que o custo varia de R$ 1 mil, com homologação, manutenção e a ferramenta, até R$ 100 mil, incluindo consultoria e segurança, principalmente se os dados estiverem armazenados na chamada cloud (“nuvem”). Essas despesas, que os analistas preferem chamar de investimento, dependem do porte da empresa e do setor de atuação.

Nova declaração

De qualquer forma, a próxima preocupação dos especialistas é dar tempo para a adequação do eSocial, sistema que irá unificar todas as declarações trabalhistas. Segundo eles, mesmo sem a divulgação do layout – necessário para que as consultorias criem suas soluções e se inicie o cronograma -, as adaptações já deveriam ter começado no caso das grandes companhias, e devem iniciar agora para as demais.

Iron Garrido afirma que para os negócios de menor porte, os empresários devem procurar sistemas já prontos, mas para as demais é possível que tenha solução individual.

Por outro lado, Mariza Machado, analista editorial da IOB Sage, entende que como o manual e layout do eSocial não foram divulgados, os empresários devem procurar treinar seus funcionários para inserção dos dados no sistema. “Os dados trabalhistas continuaram a ser declarados, mas o nível de detalhamento do eSocial é maior, além de que poderão ser verificadas [pelo fisco] em tempo real. Por isso o treinamento é necessário”, entende.

O diretor da Decision IT endossa a opinião dos demais especialistas de que a participação do dono do negócio, no caso daqueles de menor porte, também é fundamental nesse processo do eSocial. “As decisões de estratégia não podem ser terceirizadas. É o contador que irá decidir o plano de férias do seu funcionário, por exemplo?”, diz Negruni.

O diretor da Wolters Kluwer Prosoft comenta que outro fator de atenção está atrelado ao atual ritmo da economia. “Quando olhamos para as contas públicas, vimos que o governo vai precisar gerar receita e um meio de se fazer isso é aumentar a fiscalização. E as pequenas empresas são as que mais sofrem nisso. Desta forma, procurar se adaptar ao Sped é algo importante”, avalia, ao acrescentar que nesse cenário, ele notou um aumento da demanda dos contadores e do comércio em geral.

Exemplos

Cada consultoria ou desenvolvedora de softwares possui uma solução para o Sped. A Decision IT, por exemplo, vende o Decision SPED, um gerenciador fiscal para apuração dos tributos e atendimento das escriturações digitais contábeis e fiscais. Já a Wolters oferece o GFC Small — sistema de gestão empresarial para a automação de processos financeiros, comerciais, estoques e PDV. A Sage, com relação especificamente ao eSocial, disponibilizou o IOB 360º, que permite a capacitação ao sistema, com manuais e orientações.



Fernanda Bompan

Fonte: DCI – SP via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…