Pular para o conteúdo principal

SEFAZ/RS licita big data e EMC Brasil pode ter 1º cliente no Governo

A Secretaria de Fazenda do Rio Grande do Sul está bem perto de vir a ser o primeiro cliente big data de governo da EMC Brasil. Na parte financeira, a empresa foi a vitoriosa da licitação. Agora entra a fase da prova de conceito. Serviço prevê a entrega do big data em três etapas: 25%  hardware, 25% de software e 50% de consultoria, revela o presidente da empresa, Carlos Cunha. Telecomunicações também está comprando big data com contratos com TIM, Vivo e NET. Os bancos também têm investido em big data, mas não admitem a divulgação dos seus cases. Em 2015, o alvo serão as utilities.

Em encontro com a imprensa nesta quarta-feira, 03/12, em São Paulo, Carlos Cunha disse que a demanda por big data cresceu ao longo de 2014. "Nos falta mão de obra qualificada para atender aos pedidos. Desenvolvedores e arquitetos de dados até encontramos no mercado, mas o Cientista de Dados, que entende de matematíca, conhece Tecnologia e entende o negócio do cliente, esse é um perfil de profissional que não apenas nós, mas toda a área de TI tem dificuldade de encontrar", ponderou.

O contrato com a Secretaria de Fazenda do Rio Grande do Sul é um passo relevante para o governo adotar big data. "Eles fizeram um edital para tratar a base da Nota Fiscal Eletrônica. Estão junto com a PROCERGS. É um trabalho que abrirá portas", salientou Cunha. No mercado de Telecomunicações, as operadoras têm usado o big data para redução de custo, conhecimento do cliente ou para atendimento à regulamentação. "Estamos longe ainda de pensar em usar o big data para criar aplicações. Essa etapa está mais distante da nossa realidade, mas já acontece nos Estados Unidos", enfatizou.

No final de 2013, Cunha, também em encontro com a imprensa, disse que gostaria 'pular' 2014. Nesta quarta-feira, o presidente da EMC Brasil disse que o ano foi difícil, mas que as metas estabelecidas pela matriz foram cumpridas. "Sentimos que era a hora de fazer a transformação interna, com o modelo da Federação, unindo as empresas da EMC (VMWare, Pivotal e RSA). E esse desafio foi cumprido. Para 2015, vamos colher os frutos desse novo modelo. Prevejo crescimento, mesmo achando que será, sim, um ano ainda complexo, por conta dos fatores macroeconômicos". 

Indagado sobre o porquê de a EMC estar distante do Varejo, Cunha disse que em 2014 priorizou atender a base instalada. "Fizemos um trabalho de big data com as teles e com o sistema financeiro, que já são tradicionais clientes nossos. Temos o Governo. O Varejo acabou ficando sem uma dedicação especial. Será um desafio para 2015 junto com as Utilities", completou Cunha.

Fonte: Convergência Digital.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…