Pular para o conteúdo principal

e-Social: agora é pra valer!

Um dos maiores desafios que o projeto e-Social trouxe às empresas foi exatamente a busca das adequações e conformidades, o “compliance”. É fato que o projeto criado para unificar o envio das informações trabalhistas e previdenciárias para os órgãos do Governo Federal, traz em seu bojo um forte viés arrecadatório, entretanto, a iniciativa é uma grande oportunidade para as organizações corrigirem processos e seus respectivos sistemas de gestão.

O Governo Federal liberou o manual sobre o novo layout do e-Social com novas regras e especificidades para que as empresas adequem-se à emissão eletrônica dos dados. A interface possui dois importantes aspectos: político e técnico. No primeiro caso, o layout traz consigo o consenso entre o Grupo de Trabalho Empresas e o Grupo de Trabalho Confederações, este último criado pelas federações sindicais para discussão conjunta com o Comitê Gestor do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com o objetivo de ampliar o debate e flexibilizar o layout, facilitando o entendimento dos usuários. Nesse sentido, o processo de elaboração do formato acontece de maneira democrática e, itens polêmicos como riscos ocupacionais e prazo oficial de início de envio das informações, são discutidos e definidos em conjunto. Isto solidificou o projeto afastando as críticas surgidas após a publicação da primeira versão.

No âmbito técnico, a flexibilização do layout foi positiva em diversas questões, uma vez que pontos de difícil adequação foram revistos e ajustados. Além disso, o layout armazena informações que, para muitas empresas, eram itens de controle manual ou de periodicidade anual mensal ou até mesmo diária, como atualizações de cadastros e contratos de trabalhos, seja com trabalhadores sob o regime de CLT ou contribuintes individuais. O novo formato também trouxe o cronograma para uma realidade mais plausível, permitindo um escalonamento por perfil de empresas. No primeiro prazo, por exemplo, apenas empresas com faturamento acima de R$ 78 milhões foram incluídas e as demais serão em um segundo momento.

O projeto e-Social começou em 2009 e teve como membros empresas que participavam como convidadas do projeto Sped (Sistema Público de Escrituração Digital) – incluindo empresas piloto e suas software houses e, a partir de 2013, em face da grandiosidade do projeto e repercussão, o e-Social deixou de ser um subprojeto do Sped e criou-se um comitê gestor próprio, composto pelos representantes dos órgãos envolvidos. Esta mudança proporcionou a independência necessária para a definição dos temas técnicos, operacionais e estruturais.

Esta série de modificações gera um impacto para o mercado e todo o ecossistema ganha mais fôlego. Ou seja, as software houses para ajustar os seus sistemas; as consultorias, para desenvolverem seus trabalhos de mapeamento; os técnicos que atuam com SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho); e, até mesmo, as empresas, para eliminar lacunas como a definição adequada de cargos e salários, o corte de medição da folha e dos prestadores de serviços, entre outros. A demanda por profissionais especialistas nos temas relacionados, também aquece o mercado de forma direta.

O impacto das organizações que saíram à frente e realizaram os mapeamentos e ajustes ao layout 1.0 será menor. Precisarão passar por uma atualização, mas que não representa grande dificuldade, uma vez que a nova versão está mais flexível e não elimina o que foi já foi realizado até o momento.

Além da transformação do layout, o armazenamento dos dados também foi modernizado e agora ficam em nuvem. Isto mostra que o Fisco absorveu o que há de mais novo no mercado, mas, em contrapartida, poderá provocar reação entre os que não apreciam as soluções em nuvem.

A publicação da versão 2.0 deu um novo sentido ao projeto e, aos poucos, as empresas estão buscando mais informações e demandando soluções de seus fornecedores. Existem empresas em um estágio muito evoluído, que já discutem a questão dos mapeamentos dos processos, gestão de armazenagem dos arquivos, redundância destes arquivos, assinaturas dos eventos e, até mesmo, o legado das informações pretéritas ao projeto e-Social. Entretanto, há outras, ainda com a ideia de que o e-Social é apenas a geração de um arquivo magnético, sem impacto em processos e sistemas. Fica claro que estas organizações ainda não entenderam a importância do projeto, e mais do que isso, não compreenderam como o Fisco tem se preparado para a nova era digital. Um exemplo é a conformidade com a ECD – Escrituração Contábil Digital, cuja primeira entrega, em 2009, teve 68% dos arquivos recusados por erros graves.

O e-Social traz um novo conceito para o que entendemos hoje como obrigação acessória e obrigação principal, pois é após o envio dos arquivos eletrônicos, chamados de Eventos, que serão emitidas as guias de recolhimentos dos impostos, INSS, IRFONTE e FGTS para a folha, enquanto o INSS, PIS/COFINS e IRFONTE, relacionadas aos serviços prestados por pessoas jurídicas para pessoas jurídicas serão gerados após o envio por meio da nota EFD REINF (Retenções e Informações Fiscais¹). Com isso, é inadmissível enviar um arquivo com erros, ou mesmo não enviá-lo, pois as consequências serão extremamente danosas às empresas, seja por aplicação de multa pelo fisco, seja pela omissão, erro ou inexatidão e até pela denegação das certidões negativas ou positivas com efeito negativo.

Além da preparação de TI, o e-Social deve ser compreendido como uma nova cultura de cooperação entre governo, instituições, terceiros (SESI, SENAI, SESC, SENAC, SEST, SINDICATOS), empregadores e empregados, uma vez que cria um ambiente único compartilhado de informações. Por isso, o novo conceito do e-Social, exigirá uma conscientização cultural e procedimental do projeto e um esmero na busca pelo “compliance” das informações prestadas pelas empresas ao Fisco.

por Jorge Campos

Fonte: Administradores via Roberto Dias Duarte 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…