Pular para o conteúdo principal

Novo PIS/Cofins: simplificação ou mais arrocho?

PIS/COFINS: Para que simplificar se
podemos complicar?
Para que simplificar se podemos complicar? Tudo indica continuar sendo essa a filosofia do governo ao criar, a cada dia, novas obrigações acessórias e propostas como a que envolve a unificação entre o PIS (Programa de Integração Social) e a Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social).

Sob a alegação de que um único imposto facilitaria a vida dos empreendedores, essa verdadeira alquimia tributária, já em plena gestação, representa, no mínimo, um aumento de 3,65% para 9,25% nas alíquotas dos dois tributos somadas, em comparação ao seu recolhimento individual.

A situação torna-se especialmente grave para os segmentos não beneficiados pelo sistema de compensação, caso da construção civil e também do setor de serviços, que dificilmente possuem insumos utilizados na etapa de produção que possam abater de suas respectivas bases de cálculo.

Some-se a isto o advento do amplo e complexo esocial, sistema que embora prometa atualizar profundamente o controle da legalidade nos campos trabalhista e previdenciário, requer esforços redobrados, sobretudo para as pequenas e médias empresas, e até mesmo os empregadores domésticos, sob pena de arcar com pesadas multas frente ao mínimo descuido ao atender essa outra novidade supostamente simplificadora.

A grande farsa de vender como algo totalmente positivo projetos que, na verdade, acabaram resultando em altos gastos com ferramentas tecnológicas para atender um Fisco ávido por arrecadação, tem precedentes emblemáticos na história recente, dentre os quais se inclui a Nota Fiscal eletrônica (NF-e).

Na maioria esmagadora dos casos, aliás, implementações do gênero rapidamente se despem de sua aparência de conto de fadas contra a burocracia para assumir as feições de autêntico pesadelo, sob a forma de complexos e onerosos processos envolvendo Recursos Humanos e Tecnologia da Informação, entre outros.

Será que todas as ferramentas que o governo já dispõe para monitorar as operações, tanto das empresas quanto pessoas físicas, já não bastariam para construir seu banco de dados, a fim de coibir possíveis desvios e sonegações?

O significado dessa pergunta se amplifica, sem dúvida, diante do atual quadro de desgoverno político e institucional em que vivemos, lastreado na corrupção e na derrocada econômica que estão levando nosso país ao caos.

Com tudo isto, não geramos emprego aqui, mas sim na China e outros bolsões de crescimento mundo afora; nossa indústria perde sua competitividade e o comércio se demonstra cada vez mais frágil, frente aos aumentos sucessivos nas taxas de juros e ao recrudescimento do fantasma da inflação.

Em meio a tal cenário, submeter os empreendedores a mais aumento na carga tributária, ao invés da tão almejada simplificação nesta área, certamente há de causar um efeito inverso, pois as grandes corporações ainda têm a possibilidade de sair do Brasil, como muitas já vêm fazendo, restando aos pequenos optar por dois caminhos: morrer ou partir para a mais completa informalidade.

Certamente ninguém teria a ganhar em qualquer dessas hipóteses, mas sim com investimentos decisivos na área da educação, especialmente com vistas aos nossos jovens, pois bem formados eles poderão gerar frutos de qualidade compatível, ao invés de repetir indefinidamente muitos dos erros que nos trouxeram até aqui, seja nas urnas ou na forma como obtiveram e utilizam seus diplomas.

José Maria Chapina Alcazar

José Maria Chapina Alcazar é presidente da Seteco Consultoria Contábil, vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo e diretor da ANEFAC

Fonte: segs via Roberto Dias Duarte

Comentários


  1. A mais pura verdade!

    Ou alguém já viu governo abrir mão de receita, ainda na pindaíba atual em que o landino governo petista nos meteu a todos?

    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Compartilhando idéias e experiências sobre o cenário tributário brasileiro, com ênfase em Gestão Tributária; Tecnologia Fiscal; Contabilidade Digital; SPED e Gestão do Risco Fiscal. Autores: Edgar Madruga e Fabio Rodrigues.

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…