Pular para o conteúdo principal

Reforma do PIS/Cofins não visa elevar arrecadação, diz Levy

Ministro Joaquim Levy, em imagem de arquivo (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Segundo ele, sistema atual de cobrança dos tributos é 'arcaico'. Ministro declarou que quer encaminhar reforma o 'mais cedo possível'.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, declarou nesta terça-feira (18), durante evento no Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), em Brasília, que o atual sistema de cobrança do PIS e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) no Brasil é arcaico e acrescentou que quer encaminhar a reforma dos tributos, com discussão no Congresso Nacional, "o mais cedo possível".

Segundo o ministro Levy, o objetivo do governo é uma reforma que gere "neutralidade" para a carga tributária, ou seja, que não gere aumento do peso dos tributos para os contribuintes.

"O objetivo não é aumentar a arrecadação necessariamente. Ainda que saibamos que, pelo aumento das despesas, se não houver fontes fiscais, a solvência do governo e qualidade da divida será prejudicada", disse.

A reforma destes tributos, juntamente com as mudanças que o governo defende para o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) - tributo estadual - é considerada pelo governo como uma agenda a ser implementada após o ajuste fiscal, para melhorar a capacidade de crescimento da economia brasileira.

"O Brasil está em um monento de escolha de caminhos, de mudanças. O modelo econômico necessita de mudanças imporantes. Alguns aspectos estão esgotados. O objetivo é que a sétima maior economia do mundo volte a crescer, volte a dar oportunidades para todos que querem trabalhar, dar oportunidades para as famílias, com inclusão social e economia de empreendedorismo", declarou o ministro da Fazenda.

Segundo ele, o governo buscará, com a reforma do PIS e da Cofins, simplificar os procedimentos, aumentar a transparência para as empresas, gerar maior segurança jurídica, e acabar com a cumulatividade destes tributos, ou seja, que o tributo não seja pago duas vezes pela mesma empresa.

"A gente vai reconhecer todos insumos. Empresa vai pagar pelo que contribuiu para o valor final. Vai ser creditado de tudo o que já foi pago de imposto antes de chegar lá. Quando uma empresa compra um insumo, ganhará um crédito. Hoje, só se ganha o crédito em condições especiais. Essa reforma vai eliminar esse problema. Vai fazer a simplificação. Muitas empresas que hoje não ganham o crédito vão passar a ganhar, e de maneira simplificada, por meio da nota fiscal", disse o ministro da Fazenda.

Com essa reforma, acrescentou Levy, o Brasil vai passar a ter um sistema "mais próximo do tributo equivalente ao valor agregado que se tem em muitos outros lugares do mundo, ao invés de se ter uma coisa arcaica como temos hoje".  "O PIS e a Cofins, que estamos desenhando, vai ser mais um fator para estimular o renascimento da indústria. É uma reforma para a segurança jurídica", disse.

De acordo com o ministro da Fazenda, a reforma será implementada de forma "gradual" e terá início pelo PIS, que tem uma alíquota menor do que a Cofins. "Todos entendem como funciona o PIS. Temos de calibrar a alíquota. No ano seguinte, já com informação do primeiro ano, com o PIS, a gente passa para a Cofins", explicou.

Renan Calheiros e Eduardo Cunha

O evento sobre a reforma do PIS e da Cofins, no Instituto Brasiliense de Direito Público, em Brasília, também contou com a presença dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros.

Para Cunha, a última reforma destes tributos, realizada em 2003, gerou aumento da carga tributária para o governo. "Não podemos permitir que essa reforma, disfarçadamente, possa conter o aumento da carga tributária. Já há grupos dizendo que vai haver aumento de 100% da carga tributária. Dificilmente um aumento de carga, em uma situação que temos hoje, terá apoio do Congresso Nacional. O objetivo primordial é que a gente não tenha mudanças de rumo para que se tenha aumento de carga tributária", declarou ele.

Para Renan Calheiros, a reforma do PIS e da Cofins deve levar em conta o chamado "pacto federativo", que é a repartição de recursos entre o governo, estados e municípios. "Os indesejáveis conflitos federativos resultam de uma partição tributária predatória. A crise econômica impõe um pesado fardo ao nosso país, exigindo solidariedade e um conjunto de medidas, se não pelo agravamento da crise não vamos garantir a retomada do crescimento", avaliou.

De acordo com ele, a atual reforma não pode ter o propósito de aumentar a carga tributária das empresas. "Temos o dever de eliminar o risco iminente da estagflação. A inércia produtiva combinada com a alta inflação é um ambiente indesejável ao crescimento do país e à garantia do poder de compra das pessoas. O Congresso Nacional não faltará ao Brasil. O sistema tributário brasileiro é um monstro, um 'frankenstein', colado sem critério e com apetite voraz formando um conjunto assustador. Precisam ser substituídos com máxima urgência", concluiu.

Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…