Pular para o conteúdo principal

Recuperação de créditos tributários pela Sefaz Goiás


A crise financeira que produz reflexos profundos no País exige esforços contínuos da União e Estados. Em Goiás, um dos exemplos é o processo para emissão de debêntures pelo Estado, ocorrido na semana passada, que apesar de ter sido extremamente exitoso, foi criticado neste jornal pelo procurador Rodrigo Medeiros, no artigo Os ganhos com títulos da dívida ativa.


Inicialmente, quando abordou a lei que autoriza a operação de securitização, Medeiros não mencionou que os créditos tributários e não tributários inscritos em dívida ativa e que servirão de lastro para a emissão de debêntures restringem-se aos créditos parcelados (recebíveis). Estes somam cerca de R$ 700 milhões e, portanto, não se referem a toda a dívida ativa, hoje em torno de R$ 32 bilhões.

A carteira de parcelamento registrou baixa inadimplência nos últimos anos, um dos fatores que atraíram o interesse de investidores. Exemplo dessa credibilidade foi o sucesso do Pregão Eletrônico no dia 31 de julho, que escolheu o agente financeiro para operar a emissão de R$ 200 milhões em debêntures.

O procurador afirma ainda que há gargalos na recuperação de créditos que poderiam prejudicar esse processo, o que não condiz com o eficiente trabalho realizado pela Secretaria da Fazenda (Sefaz). Um exemplo é a inscrição, em dívida ativa e Serasa, de cerca de 130 mil processos no valor aproximado de R$ 1 bilhão.

Soma-se a isso a otimização do sistema de petição eletrônica. A tecnologia permite o envio do documento à Procuradoria Tributária, acompanhado da certidão de dívida ativa e pesquisa de bens do contribuinte, o que possibilita o atendimento imediato das demandas da Procuradoria-Geral do Estado (PGE). Um exemplo foi o recente envio de 360 ações de cobrança judicial, totalizando cerca de R$ 340 milhões em impostos devidos.

Por essa mesma ferramenta, a Sefaz está apta a remeter à PGE todos os processos para execução fiscal. O que deve ser resolvido são os gargalos decorrentes de dificuldades técnicas no âmbito da PGE, para a otimização da recuperação dos créditos judiciais. A recente criação pelo Tribunal de Justiça de Goiás de uma vara específica de Execução Fiscal favorece a celeridade das execuções.

Ademais, desde 2007 os créditos tributários passam pelo crivo de um saneamento minucioso, quanto aos vícios processuais formais, aplicado por equipe qualificada, antes dos créditos serem inscritos em Dívida Ativa.

Tal iniciativa reduziu sensivelmente a quantidade de questionamentos e anulações processuais.

Carlos Augusto Lins de Barros

Auditor fiscal

Texto publicado na seção Cartas dos leitores da edição de 10 de agosto do jornal O Popular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…