Pular para o conteúdo principal

COMO TRANSFORMAR SEU ESCRITÓRIO CONTÁBIL EM UMA CONSULTORIA DE SUCESSO

O empresário contábil que dedica 100% do tempo às
atividades técnicas de seu escritório não tem tempo
para gerir, muito menos inovar. Buscar o conhecimento
técnico sobre a solução para os problemas tributários, fiscais,
trabalhistas, além de estudar muito sobre SPED, IFRS
e tudo mais são ações importante, mas não garantem o
sucesso empresarial.
Você gostaria de modificar o atual posicionamento que seu escritório contábil ocupa no competitivo mercado em que atua, levando-o verdadeiramente a se tornar uma empresa extremamente bem-sucedida? Com certeza, os empreendedores sócios das 51.748 organizações deste setor responderiam sim.

Possivelmente, todos eles e muitos dos 531.309 profissionais brasileiros gostariam de saber como tornar ou um criar uma empresa realmente inovadora, com um modelo de negócios diferenciado, prestando serviços de alto valor.

Uma coisa é certa: não existe mágica!  Sei que você estudou e continua aprendendo muito para ser bom na área contábil e tributária. Afinal, há muito tempo profissionais da contabilidade vêm superando os mais diversos desafios técnicos, especialmente os relacionados à convergência aos padrões internacionais e à introdução das tecnologias tributárias como o SPED e o eSocial.

Não bastasse isso, nosso ambiente tributário é extremamente hostil, gerando muito trabalho e risco para todos. Superar tudo isso requer plena dedicação e muito estudo. Não há outro jeito! Inexistem atalhos para o sucesso.

Contudo, mais que nunca é preciso aprender a empreender. Mas não há como fazê-lo, seja em um escritório contábil ou em uma consultoria, sem utilizar as técnicas de modelagem e de gestão de negócios praticadas pelas empresas mais bem-sucedidas do mundo – as famosas “best practices”. Ao utilizar metodologias globais, adaptadas aos escritórios contábeis, você poderá criar o modelo de negócios perfeito para a sua realidade.

O problema é que, nos últimos anos, a maior parte dos empresários do setor negligenciou a gestão e a inovação de seus próprios negócios.  Por isso, muitos sócios de organizações contábeis hoje estão  bastante preocupados com o futuro de suas empresas.

Possivelmente você mesmo se identifica com alguma dessas situações: trabalha muito e tem pouco retorno financeiro; percebe que seus clientes não valorizam seu trabalho tanto quanto deveriam; está com sobrecarga de trabalho; os custos da empresa estão aumentando mais do que as receitas; contratar, reter e treinar funcionários têm se tornado tarefas cada vez mais difíceis; a pressão do fisco  chegou ao limite do suportável.

Sabe por que isto acontece? Porque empresário que dedica 100% do tempo às atividades técnicas da sua empresa não tem tempo para gerir, muito menos  inovar. Buscar o conhecimento técnico sobre a solução para os problemas tributários, fiscais, trabalhistas, além de estudar muito sobre SPED, IFRS e tudo mais são ações importantes, mas não garantem o sucesso empresarial.

Se você é totalmente voltado para os aspectos técnicos do seu negócio, existem três alternativas: fechar a empresa e procurar um emprego; conseguir um sócio focado nos aspectos empresariais para cuidar do negócio; ou aprender a empreender. Não existe empresa bem-sucedida se não há alguém pensando na gestão estratégica do empreendimento.

Mas, se você dedicar parte do seu tempo a estudar técnicas e metodologias de gestão estratégica, sua vida irá mudar. Você passará por uma transformação inacreditável. Sairá do papel de empregado de sua própria empresa para liderar um negócio bem-sucedido, inovador e valorizado. Este processo é chamado de criação do mindset empreendedor. Ou seja, você formatará seu cérebro para pensar como um empresário de sucesso. E é claro, se tornará um deles.

Não adianta reclamar, brigar, achar que o mundo está contra você. O mercado é cruel e seleciona os melhores, os que têm oferta de valor diferenciada. A jornada de todo empreendedor bem-sucedido começa pelo estudo. Assim, seguem minhas dicas de livros para estudar e aprender os conceitos das melhores práticas globais empresariais:

O Segredo de Luiza (Fernando Dolabela), A arte da guerra (Sun Tzu), Empresa 1:1 (Martha Rogers), Business Model Generation (Alexander Osterwalder, Raphael Bonelli, Pigneur, Yves), Empreendedorismo. Elabore seu plano de negócios e faça a diferença (Marcelo Nakagawa), Value Proposition Design – Como construir propostas de valor inovadoras (Alex Osterwalder e Greg Bernarda), O jeito Disney de encantar clientes (Disney Institute), Academia Disney (Doug Lipp), Estratégia do oceano azul (W. Chan Kim e Renée Mauborgne), Sollution Selling – Creating Buyers in Difficult Selling Markets (Michael Bosworth, Rick Page e Sallie Sherman).

Design Thinking – Uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias (Tim Brown), A cauda longa (Chris Anderson), Posicionamento – A batalha por sua mente (Al Ries e Jack Trout), A Pergunta Definitiva 2.0 (Fred Reichheld), One to One – B2B (Martha Rogers), Gerenciamento pelas diretrizes (Vicente Falconi), Getting to the Numbers (Harvard Business Review), Measuring Corporate Performance (Harvard Business Review), O verdadeiro poder (Vicente Falconi), Working Knowledge. How Organizations Manage What They Know (Thomas H. Davenport & Laurence Prusak).

Voilà! Bem-vindo ao admirável mundo novo do empreendedorismo contábil, agora globalizado! Sem mágicas e com muita dedicação.

por Roberto Dias Duarte

Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Franquia Contábil, primeira do gênero no país.

Fonte: Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…