Pular para o conteúdo principal

O Aumento das Alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes na Importação sobre a Arrecadação de 2015

Em 30 de janeiro de 2015, o Governo Federal publicou a Medida Provisória nº 668. Foi uma das primeiras medidas propostas para recuperação fiscal no ano que passou. A Medida Provisória (MP) – posteriormente convertida na Lei 13.137 de 19 de junho de 2015 – definiu o aumento das alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação, o acréscimo médio das alíquotas foi de 28% (vinte e oito por cento).

Na exposição de motivos informou-se que a pretensão era arrecadar em 2015 R$ 694 milhões, correspondentes a 2% (dois por cento) do total arrecadado pelas contribuições em 2014 (1). Meta bastante modesta, mesmo porque, mantido o mesmo valor da base de cálculo, a menor expectativa seria de arrecadar os 28% adicionais de acréscimos das alíquotas.

Na época da em que a MP foi proposta a análise de cenários realizada pela Administração Tributária Federal já vislumbrava uma queda do valor das importações, muito em decorrência de uma previsão de alta da cotação do Dólar Comercial. No entanto, tinha-se uma perspectiva muito rasa para o efeito que o aumento das alíquotas promoveria na arrecadação de 2015.

Examinados os dados da Balança Comercial de dezembro de 2015, recentemente divulgada, observa-se que, comparativamente a 2014, o valor das importações foi aproximadamente R$ 60 bilhões maior. De fato, em 2014 o valor das importações correspondeu a R$ 608 bilhões, enquanto em 2015 o valor foi de R$ 669 bilhões, um crescimento bruto de 10%.

Segundo a Receita Federal, a arrecadação da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação em 2014 foi de R$ 41 bilhões. Em 2015, este valor fechará em aproximadamente R$ 48 bilhões, revelando um acréscimo de 18% (dezoito por cento) (2).

Ao compararmos a medida percentual correspondente do valor arrecadado com a Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação sobre o valor da base de cálculo tem-se que, em 2014, a arrecadação correspondeu a 6,68% (seis inteiros e sessenta e oito centésimos por cento). Por sua vez, em 2015, a mesma relação evidenciou que o valor arrecadado correspondeu a 7,18% (sete inteiros e dezoito centésimos por cento), uma variação de 0,5% (meio por cento). Este meio por cento corresponde em valor a R$ 202,2 bilhões a mais em arrecadação.

Ainda que a estimativa da Receita Federal mencionada na exposição de Motivos da MP nº 668/ 2015 fosse muito modesta, a arrecadação efetiva foi pior ainda. Na verdade, foi um fracasso. O que se depreende dos números é que, muito provavelmente, além da variação cambial ocorrida em 2015, o aumento do custo tributário pode ter influenciado para a redução do valor das importações no ano.

Ademais, vale observar que ainda que pareça positivo ter superávit na balança comercial – como previsto também para 2016 – a redução das importações afeta principalmente a indústria e o correspondente investimento no parque industrial nacional, que precisa de insumos de maior agregação tecnológica para produzir. Assim, um efeito colateral claramente observado é que nossa indústria de ponta está ficando para trás, bem como o desenvolvimento tecnológico do País.

Outra observação importante é a de que com a perspectiva de agravamento da recessão qualquer medida tributária que aumente tributos está fadada ao fracasso, uma vez que não se confirmará na arrecadação.

Assim sendo, o que se conclui é que se não dá para trabalhar a receita pública para combater o problema fiscal, o Governo, não só o federal, deverá trabalhar a despesa pública. Haja criatividade.

Que venha 2016!

(1) Observe-se que a estimativa anual de arrecadação é da ordem de R$ 1,19 bilhão.

(2) Relatório da Arrecadação. Secretaria da Receita Federal do Brasil. Dados Abertos. Receita Data. Arrecadação.


por Alexandre Andrade 

Foi auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil. É Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em finanças. Especializado em auditoria-fiscal, tributação de pessoas jurídicas e tributos incidentes em operações de importação e de exportação. Professor de Contabilidade Geral, Custos e Contabilidade Bancária.

Acesse também o Portal e a Revista de nosso Parceiro Barral M Jorge nos links a baixo:


Fonte: Comex do Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…