Pular para o conteúdo principal

Fazenda lança ‘Prisma Fiscal’, que coletará projeções para indicadores

Nesta sexta, também foi anunciado comitê para ajudar a cumprir metas.
Mercado não acredita no cumprimento das metas de 2015 e 2016.

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda informou nesta sexta-feira (16) o lançamento do “Prisma Fiscal”, um sistema de coleta de expectativas de mercado para acompanhamento das principais variáveis fiscais brasileiras (relativas às contas públicas). As previsões consolidadas serão divulgadas mensalmente e divulgadas na página da secretaria.

Também nesta sexta foi instituído, por meio de portaria publicada no “Diário Oficial da União”, o Comitê de Política Fiscal (Copof), que visa promover a realização planejada e transparente da política fiscal de médio e longo prazos, com vistas ao cumprimento das metas fiscais estabelecidas, e propor medidas com o objetivo de prevenir riscos e corrigir desvios capazes de afetar o cumprimento da meta fiscal.

“Além do relatório, oportunamente será divulgado um ranking das instituições participantes que tiveram maior êxito na elaboração de previsões mais próximas aos resultados realizados”, acrescentou o governo.

O prisma fiscal, ainda de acordo com o Ministério da Fazenda, funcionará em fase inicial de teste para que as instituições possam conhecer o sistema e enviar suas projeções e, assim, permitir eventuais ajustes operacionais. O cronograma prevê que o primeiro relatório com as projeções consolidadas seja divulgado em dezembro.

“O sistema possui potencial de ser um veículo importante e transparente de comunicação com a sociedade e um instrumento de monitoramento e ancoragem das expectativas, tornando-se um apoio ao planejamento dos agentes em diferentes horizontes de tempo”, acrescentou o Ministério da Fazenda.

Levantamento do BC
O levantamento das expectativas de mercado para algumas variáveis fiscais já é feito pelo Banco Central e por algumas agências de notícias, lembrou o Ministério da Fazenda. Com o prisma fiscal, o governo informou que busca “aproveitar essa experiência e promover o aprimoramento das projeções e expectativas fiscais, além de incentivar os agentes a agregar mais variáveis aos seus modelos”.

De acordo com a pesquisa realizada pelo Banco Central com mais de 100 instituições financeiras na semana passada, que dá origem ao relatório de mercado, também conhecido como Focus, os economistas dos bancos não acreditam que a meta de superávit primário – a economia feita para pagar juros da dívida pública – deste ano e de 2016 serão cumpridas pelo governo.

Para 2015, a meta de superávit para todo o setor público consolidado é de 0,15% do PIB, ou R$ 8,7 bilhões. Segundo o blog do Camarotti, porém, o próprio governo já estima que essa meta dificilmente será cumprida.

Para 2016, a meta é de um superávit fiscal de 0,7% do PIB – o equivalente a R$ 43,8 bilhões. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tem defendido o reequilíbrio das contas públicas, com retorno da CPMF, para que a meta do que que vem seja atingida, além de um pacote de outras medidas.

Na semana passada, os economistas dos bancos ouvidos pelo BC projetaram um déficit primário de 0,30% do PIB para o setor público neste ano e um resultado negativo de 0,20% do PIB para 2016 – valores distantes das metas fixadas pelo governo.

Fonte: G1 Economia via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…