Pular para o conteúdo principal

Negócios contábeis 2.0: Como transformar problemas em oportunidades

A jornada empreendedora torna-se menos árdua ao se adotar metodologias
e práticas globais de gestão, como por exemplo, o Business Model
Generation (Canvas), ferramenta que auxilia o processo de inovação
em modelos de negócios.
É muito comum os problemas serem vistos pelos empreendedores e suas equipes como empecilhos ou entraves para o crescimento da empresa. No entanto, as dificuldades devem ser percebidas como oportunidades de fazer diferente e, até, mesmo se reinventar periodicamente. Na área contábil não haveria de ser diferente.

Vivemos em um mundo onde a conectividade impera e na era 2.0 todas as profissões estão se transformando, o que equivale a dizer que o conhecimento técnico é fundamental, mas apenas ele não basta. É preciso saber gerir a carreira e o negócio tão bem quanto uma grande organização. E esse movimento, em especial na área contábil, está ocorrendo de forma muito acelerada, primeiro porque temos uma diversificação de atividades comum a toda profissão.

Tem havido ainda uma especialização crescente , seja em virtude dos diferentes ramos de atuação dos clientes, seja pela própria abrangência da matéria, requerendo uma visão contábil com vieses fiscal, de auditoria e consultoria, entre outros.

O conhecimento técnico, portanto, está se diversificando e a busca por profissionais mais qualificados em todas as características cresceu a reboque disto. Ao contratar hoje um contador, a empresa procura um profissional que já tenha conhecimento em sua área específica. O supermercado, por exemplo, prefere aquele contador mais experiente no setor varejista; uma indústria, por sua vez, tende a escolher alguém com expertise neste campo, e assim por diante. Afinal, a especialização confere autoridade e referência ao prestador de serviços, possibilitando maior geração de valor para si e para seus clientes.

Do ponto de vista das empresas e escritórios contábeis, é preciso manter-se atualizado, olhar atentamente para a eficácia e a produtividade do seu negócio, assim como ter sempre em mira a própria concorrência. A análise de SWOT é uma excelente oportunidade para avaliar os pontos fortes, fraquezas, oportunidades e ameaças existentes em torno desse ecossistema. Tal análise é muito importante para todos os tipos de organização, independentemente do seu porte ou natureza. Além disso, deve ser realizada com frequência para que se possa fazer um diagnóstico certeiro com o objetivo de encontrar alternativas estratégicas que tragam resultados viáveis.

A partir dessa avaliação, é preciso remodelar o negócio, porque ao observar forças e fraquezas, estamos, invariavelmente, direcionando nossa atenção para dentro de casa. Com isso, descobrimos o que é preciso mudar, tarefa das mais difíceis, por exigir experiência e feeling empreendedor, ou seja, a capacidade de transformar problemas em soluções.

Como se ensina isso? Não há uma fórmula pronta, nem segredos, só a experiência do dia a dia pode fazê-lo. Uma sugestão é incentivar todos os colaboradores a trazerem para o escritório novas ideias e oportunidades . Tome essa prática como exercício para a sua vida, e verá os benefícios. Contudo, a jornada empreendedora torna-se menos árdua ao se adotar metodologias e práticas globais de gestão, como por exemplo, o Business Model Generation (Canvas), ferramenta que auxilia o processo de inovação em modelos de negócios.

Este é um procedimento que deve ser copiado por todos os empreendedores da área contábil. Além disto, procure anotar diariamente suas ideias sobre novos negócios, mercados ou processos. Cultive o hábito de olhar o problema e buscar maneiras inovadoras de solucioná-lo. Este é o primeiro passo para a diferenciação e valorização dos seus serviços.

Por Roberto Dias Duarte

Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Franchising, a primeira e maior rede de franquias contábeis

Fonte: Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…