Pular para o conteúdo principal

Em março, Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica será obrigatória, no AM

Novo modelo deverá oferecer ao consumidor a possibilidade de visualizar a compra em smartphones, tablets e outros (Foto: Alfredo Fernandes/Agecom)

Passará a ser obrigatória, a partir de março deste ano, a emissão da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) para empresas do varejo e contribuintes. Mesmo antes da obrigatoriedade, pelo menos 600 estabelecimentos realizaram a emissão de aproximadamente 500 mil notas no Amazonas, em 2013. O estado registrou ainda a primeira NFC-e do país. As informações são da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AM). Para 2014, a expectativa da pasta é de que os números cresçam. Softwares permitem a emissão por meio de tablets e smartphones. Algumas ações são planejadas para divulgação entre empresários da capital e interior.
Segundo informações da Sefaz, a NFC-e dispensa o uso do Equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF), ou de impressora não fiscal, sem necessidade de autorização pelo Fisco. Ela possibilita ainda o uso de novas tecnologias móveis – como a emissão por meio de tablets e smartphones – e integração de plataformas de vendas físicas e virtuais.
“A emissão de NF-e, NFC-e, CT-e [Conhecimento de Transporte Eletrônico] e tantos outros movimentos nesse sentido, que os fiscos federal, estadual e municipal adotaram, são caminhos irreversíveis que serão trilhados pelos empresários nos próximos anos. Essas obrigações são apenas a ponta do iceberg, pois as novas como SPED, FCONT, e-Social, EFD, são ‘obrigações acessórias’ que são quase impossíveis de atender em processos manuais”, pondera o contabilista e empresário Antonio Moraes.
O contabilista ressalta ainda que existem sistemas informatizados disponíveis no mercado. Alguns são gratuitos e produzidos no estado do Amazonas. “O alto grau de complexidade desses processos exige a informatização e uso de sistemas ERPs integrados nas empresas e obrigam os empresários a procurar alternativas que atendam essas demandas governamentais, sob pena de não conseguir cumprir-las”, diz.
O auditor fiscal e líder estadual do projeto NFC-e, Luiz Dias de Alencar Neto, conta que empresário que tem dúvidas sobre o uso da NF-e pode procurar informações em uma página disponibilizada pela Sefaz.
“Em uma iniciativa inovadora, a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) disponibilizou dois emissores gratuitos. Nós prestamos o apoio técnico para o desenvolvimento e firmamos uma parceria para divulgação das soluções”, conta.
Os sistemas de gestão já usados por empresas, ou disponíveis no mercado, também podem realizar a emissão das NFC-e. O software Safira ERP disponibiliza o serviço. O sistema foi desenvolvido no Amazonas e é usado por empresas em 45 cidades do país. “As secretarias de fazenda (Sefaz) de todo o Brasil criaram um protocolo e um layout padronizado para troca de informações com os sistemas ERPs para emissão das NF-e através de webservice, que é uma espécie serviço de comunicação de dados padronizado, então nós ‘consumimos’ esse webservice. Isso vale tanto para NF-e como para NFS-e e outras modalidades de Nota fiscal. Além de ser uma obrigação legal, essa padronização traz uma série de vantagens operacionais disponíveis no Safira-ERP”, conta Antonio.
A Sefaz programou um cronograma de ações para difusão da NFC-e no Amazonas durante o ano de 2014. A meta do órgão é atingir todo o estado.”Estamos planejando o lançamento de um programa de cidadania que consistirá em premiar o consumidor que exigir o novo documento fiscal”, revela Luiz Dias.
Primeira NFC-e
Segundo dados da Sefaz, o projeto da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) teve início em setembro de 2011, na 143º reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ).
No dia 1º de março de 2013 uma empresa amazonense, com sede em Manaus, emitiu a primeira NFC-e do país. A partir de julho de 2013, o sistema foi liberado para todos os contribuintes e desenvolvedores, inscritos no cadastro de contribuintes do estado. A meta da Sefaz é de que até o final de 2014 todos os estabelecimentos varejistas tenham adotado a NFC-e.

Fonte: g1 via Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…