Pular para o conteúdo principal

Porque a reforma não acontece

A opinião é quase unânime entre os contribuintes: no Brasil se paga muito imposto e não se tem o retorno adequado. No ano passado, o brasileiro precisou trabalhar 150 dias (ou cinco meses) apenas para cobrir as despesas com tributos, número que tem aumentado progressivamente. Também em 2013, o País teve carga tributária de 36,42% sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a maior desde 1988. Muito se reclama – e se constata – de que o retorno tem sido cada vez mais desproporcional ao que se arrecada, mas nada efetivo é feito. Afinal, diante das queixas sobre o peso dos impostos sobre o bolso do cidadão e do caixa das empresas, porque uma reforma tributária não consegue ser feita no Brasil?
Para os especialistas, a reforma tributária – tanto discutida e apontada como solução para o problema – é vista como utopia. Para eles, a situação atual tem sido bastante confortável para o governo – que mantém gastos astronômicos com a máquina pública e aumenta a arrecadação continuamente. A solução para uma possível “reforma”, apontam, é deixar tudo como está e, aos poucos, ir simplificando algumas cobranças com medidas pontuais.
Arrecadação
No ano passado, por exemplo, foram arrecadados R$ 1,85 trilhão em todo o País pela União e R$ 9,6 bilhões no Ceará, conforme informações do site Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo. Já Fortaleza alcançou os R$ 4,5 bilhões de receitas arrecadadas, conforme exposto no Portal da Transparência do Município.
“Gostaria que o povo brasileiro, que não é muito apegado a protestos e reclamações, mudasse essa mentalidade. O futuro do País depende da população, ao exigir daqueles que fazem as leis – Legislativo e ao Executivo. A população não cobra e eu não sei o que aconteceu que, no Brasil, aconteceram aquelas manifestações e, de repente, não se fala mais nisso”, afirma o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), João Eloi Olenike.
Motivos
De acordo com ele, a reforma tributária não ocorre por falta de vontade política, além da ausência de pressão por parte da população. “Já desistimos de falar em reforma. Queremos ações por parte do governo que sejam pelo menos pontuais”, afirma.
Ele ressalta que no Brasil são pagos cerca de 63 impostos diferentes, ficando na 14ª posição entre os países com maior carga tributária. Porém, avalia, o retorno em aplicação para o contribuinte é muito inferior a de outros países também em desenvolvimento – como Argentina e Uruguai, que conseguem direcionar melhor os recursos. Desse modo, cabe ao cidadão pagar pelo mesmo serviço duas vezes.
Segundo o IBPT, a arrecadação da União foi de 25,54% sobre o PIB em 2013, enquanto que tributos estaduais foram de 9,08% e municipais 1,83%. Com isso, o Brasil figura como o país com a contribuição mais pesada dentre os membros do Brics (Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul).
‘Falta cobrança’
Nem só de desinteresse do governo para realizar uma reforma vive o aumento da tributação. A falta de pressão da população também contribui para que os políticos legislem em causa própria. “A cultura do brasileiro, desde a nossa formação, é esperar tudo do estado, que existe como o grande provedor. Nós não nos sentimos muito envolvidos com a solução dos problemas e esperamos que um novo governador, prefeito, presidente ou presidenta venham resolver problemas que não têm muito a ver com eles”, analisa sociólogo e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), André Haguette.
Segundo ele, como o cidadão não se sente vinculado e os partidos políticos não funcionam, “ninguém cobra de ninguém”. Isso porque, explica, a votação no Brasil é proporcional, sendo muitas vezes eleitos candidatos pouco conhecidos, que saem em vantagem devido aos votos recebidos pela legenda.
FONTE: http://diariodonordeste.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…