Pular para o conteúdo principal

eSocial - A mudança é cultural

Por Antônio Carlos Maciel
As relações trabalhistas no Brasil sempre foram marcadas pelo não cumprimento das obrigações por parte de alguns empregadores. A cultura de alguns empresários ainda é a de dar um “jeitinho” em näo cumprir as leis trabalhistas. Esta é uma realidade comprovada com o crescimento no número de processos judiciais trabalhistas, forma legal do trabalhador pleitear direitos sucumbidos pelo “jeitinho” do empregador.

O "jeitinho brasileiro” sempre foi uma plataforma pronta, na qual alguns empregadores utilizam para descumprir as normas. Qual empregador já não concedeu férias a um empregado e este continuou trabalhando? Qual empregador não demitiu um funcionário com data retroativa, para não pagar aviso prévio? Quem depois de admitido providenciou alguns documentos que não teve tempo para retirar? Estas situações não serão mais possíveis após abril de 2014.

Para consolidar esta mudança, foi instituído pelo Ato Declaratório Executivo SUFIS n° 05, de 17 de julho de 2013, o caçula da familia SPED, batizado como eSocial - Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Tributárìas - conhecido popularmente como “SPED Folha de Pagamento”, e será obrigatório para todos os empregadores, sendo estes pessoas físicas ou jurídicas. O eSocial também substituirá inúmeras obrigações acessórias mensais e anuais e simplificará a relação entre empregador e empregado.

Neste contexto, este novo sistema de geração da folha de pagamento, apesar de novo, nada traz de novo. As velhas e conhecidas obrigações contidas na CLT e leis federais continuarn, porém consolidadas no eSocial, e, ao contrário do que muitos especulam, exigirá o cumprimento - em tempo real e sem “jeitinho” das atuais normas trabalhistas tais como: admissão em até 48 horas; férias informadas 30 dias antes do direito; atestado para admissão entregue no ato da admissão, ações estas que concretizam uma relação de emprego formal e legal e não uma relação informal de trabalho.

O eSocial trará muitos benefícios para o relacionamento empresa x empregado, sendo um deles, a criação do “Portal do Empregador” onde o próprio trabalhador poderá acompanhar, em tempo real, se o empregador está recolhendo as obrigações sociais (INSS e FGTS). Em contrapartida, num primeiro momento, o trabalhador terá uma “ficha corrida" que será disponibilizada somente à justiça trabalhista com todos os eventos ocorridos durante o período laboral em uma determinada empresa, contendo: o número de faltas, número de horas extras, afastamento, etc. Com isso, em uma possível ação judicial, o julgador poderá verificar as verbas pleiteadas e apurar se são ou não passíveis de reclamação, tornando assim o processo transparente para Autor e Réu: trabalhador e empresa!

Mudança é uma das situações que a maioria dos brasileiros tende a resistir e a se adequarem por mera conveniência, mas com o eSocial não será possível adiar alterações comportamentais. Com as informações ocorrendo em tempo real e com a grande parte das folhas de pagamento das ME, EPP e Simples Nacional, sob a responsabilidade de terceiros (escritórios contábeis), empresas contábeis, empresários e trabalhadores deverão estar em harmonia para que as informações sejam enviadas sem inconsistências, evitando atrasos e multas. As mudanças culturais, estruturais, de profissionais, clientes e trabalhadores deverão começar já em 2013 pelo grande número de parametrização exigida pelo eSocial, que veio para fazer cumprir a legislação em tempo real, muitas vezes não cumpridas em tempo algum.

Assim, o eSocial trará mudanças culturais e atingirá desde às donas de casas às empresas multinacionais, e nenhum empregador sendo pessoa física ou jurídica será poupado, pois o que era cumprido por conveniência, agora terá que ser cumprido em sua essência.

O envio das informações será de duas formas: para empresas que possuem programas geradores de folha de pagamento terá o mesmo processo de validação da atual Nota Fiscal Eletrônica, através de arquivos XML e para empresas menores sem programas de geração de folha de pagamento, a receita federal disponibiliza programas similares ao já existente para o empregador doméstico no portal do eSocìal - www.esocial.org.br.

Com data prevista de cadastro e envio das informações a partir de abril 2014, pergunta-se: Será esse tempo suficiente para mudar o processo do “jeitinho brasileiro” predominante nos empregadores há décadas? Somente o tempo irá nos mostrar.

Fonte: INFORM SESCON / MG via José Adriano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…