Pular para o conteúdo principal

A Receita Federal e a construção da cidadania

Com especialização de auditores, fiscalização tem priorizado combate ao planejamento tributário abusivo, grandes devedores e empresas com indícios de sonegação, diz ex-presidente da Anfip

Apesar de um cenário adverso, principalmente internacional, a Receita Federal do Brasil vem batendo recordes históricos de arrecadação. Mas qual é o segredo para um desempenho excepcional, já que nestes períodos não ocorreram os tradicionais aumento ou criação de novos tributos? A resposta é que a Receita Federal resolveu percorrer os caminhos que há muito tempo a sociedade reclamava, que são o combate à fraude, à sonegação e à inadimplência e a busca da eficiência administrativa.

A fiscalização tem adotado novos procedimentos priorizando os grandes devedores e as empresas onde os cruzamentos de informações indicam que há tributos sonegados. Além do efetivo combate ao planejamento tributário abusivo, normalmente executado por contribuintes com maior capacidade contributiva. Isto tudo só foi possível graças à especialização das equipes de auditores fiscais a serviço da sociedade.

No ano de 2013 foram constituídos créditos tributários no valor de R$ 190,1 bilhões, valor que superou em 63,5% o total das autuações ocorridas no ano de 2012. Este valor é novo recorde histórico de crédito tributário constituído. No ano passado, somente a atividade de monitoramento dos grandes contribuintes foi responsável pela recuperação de R$ 6,5 bilhões. Merece registro que o resultado por auditor fiscal foi excepcional, chegando à cifra de R$ 59,7 milhões.

Todas essas iniciativas provocaram um efeito positivo junto à sociedade e estimularam o recolhimento espontâneo dos tributos administrados pela Receita Federal do Brasil, proporcionando um resultado multiplicador quanto ao número de contribuintes adimplentes. A ação fiscal da Receita Federal também está mudando o comportamento cultural dos contribuintes, pois quando há austeridade nos gastos e aplicação correta dos recursos o sonegador perde o álibi e passa a não ser tão aceito pela sociedade.

Outro avanço que merece destaque é que a ação da fiscalização está influindo diretamente na lisura da concorrência entre as empresas.  Existindo duas empresas concorrendo no mercado, uma cumpridora do seu dever e outra que não paga os seus tributos, em médio prazo, a boa pagadora vai sair do mercado ou passar para o outro lado. É direito do contribuinte honesto exigir que a fiscalização funcione efetivamente. A fiscalização da Receita Federal está cumprindo o seu dever para com a sociedade, que em síntese é a legítima proprietária do Estado.

Muito ainda deve ser feito, precisamos rever a legislação tributária para torná-la menos complexa, racionalizando as obrigações acessórias, para tornar mais ágil o procedimento fiscal, evitando recursos protelatórios, impedindo que, de tempos em tempos, os sonegadores sejam brindados com legislações privilegiadas que estimulam o não recolhimento espontâneo à espera dessas novas “medidas”. Mas, sobretudo, necessitamos da ajuda da sociedade no sentido de que ela se indigne com os sonegadores que, em síntese, estão enriquecendo às custas dos recursos que deveriam estar nos cofres públicos para construirmos a sociedade que todos almejamos: livre, justa, solidária, que reduza a pobreza e as nossas profundas desigualdades sociais e regionais.

Está próximo o dia em que aqueles que comprometem os programas sociais, que corroem a ética comportamental e sacrificam os contribuintes honestos serão excluídos do convívio social e da relação de mercado. Se depender da fiscalização da Receita Federal, o alvorecer deste dia já começou. Os números do nosso trabalho apontam nesta direção.

POR ÁLVARO SÓLON DE FRANÇA
 Álvaro Sólon de França foi secretário executivo do Ministério da Previdência e presidiu o Conselho Executivo e o Conselho Fiscal da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip). É autor dos livros A Previdência Social é Cidadania e A Previdência Social e a Economia dos Municípios. Clique aqui para enviar um e-mail.

Fonte: Congresso em foco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…