Pular para o conteúdo principal

Receita cobra R$ 2 bi de Avon e Natura

Duas das maiores empresas do mercado de produtos de beleza do país estão contestando a cobrança de Tributos pela Receita Federal. O valor envolvido na disputa, em processos administrativos, supera R$ 2 bilhões e, até agora, as empresas têm obtido vitória parcial.

O valor contestado pela Avon no Brasil é de US$ 650 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão), incluindo multas e juros, relativos ao ano de 2008. A concorrente Natura foi autuada na mesma época, para o pagamento de R$ 628 milhões, e também está recorrendo, na esfera administrativa.

Assim como outras empresas de bens de consumo, as companhias de venda direta de cosméticos foram autuadas no fim de 2012 para a cobrança de diferenças de IPI (que incide sobre o produto industrializado) e PIS e Cofins (incidentes sobre a receita bruta de vendas). A Receita Federal questiona a forma como as sociedades foram estabelecidas, com empresas separadas para fabricação e distribuição. Para a autoridade fiscal, essa separação foi feita sem um propósito válido de negócio e a definição da base tributável está incorreta.

No caso de PIS e Cofins, as companhias tiveram decisões favoráveis na primeira instância. No entanto, as cobranças de IPI foram mantidas, e as empresas recorreram da decisão. Ambas as decisões serão analisadas pela segunda instância administrativa da Receita.

O principal questionamento das autoridades fiscais é de que a controlada [indústria] teria praticado preços incorretos nas vendas destinadas à controladora, afirma a Natura em suas demonstrações financeiras anuais.

Segundo a Avon, a estrutura adotada pelo grupo no Brasil é comparável àquela usada por diversas outras empresas no país. Acreditamos que nossa estrutura corporativa brasileira é apropriada, tanto operacional como legalmente, e que ambas as autuações de 2002 e 2012 são infundadas , afirma a companhia em seu relatório anual para investidores, apresentado na semana passada. A operação brasileira é a maior da Avon, com receita de US$ 2 bilhões, o que representa 20% das vendas da multinacional.

Em 2002, a subsidiária da Avon já havia sido autuada pela Receita, que alegou problemas no pagamento de IPI referentes a 1997 e 1998. A cobrança foi mantida na primeira instância, no fim de 2010, mas reduzida de US$ 67 milhões para aproximadamente US$ 28 milhões, incluindo multas e juros. A companhia também recorreu à segunda instância neste processo.

Para Avon e Natura, a chance de que as autuações sejam mantidas em última instância é remota. A Avon lembra que outros processos de cobrança de IPI envolvendo diferentes períodos entre 1998 e 2001 foram cancelados na segunda instância administrativa. A Natura também foi questionada em processo semelhante em 2005 e também conseguiu cancelar as autuações na esfera administrativa.

Se mesmo assim, ambas as cobranças feitas em 2002 e 2012 forem mantidas até a terceira e última instância, a Avon afirma que será necessário garantir segurança para continuar com os apelos, o que, dependendo das circunstâncias, pode resultar em uma redução no lucro . Segundo a companhia, não é possível estimar de quanto seria essa perda ou de eventuais débitos de outras autuações que podem vir a ser emitidas relativas a períodos subsequentes.

Os autos de infração defendem que a estrutura das empresas foi montada com o objetivo exclusivo de economia tributária, mas há substância operacional nessa organização e faz sentido logístico , afirma Abel Amaro, sócio da área tributária do escritório Veirano Advogados. Para o especialista, caso as companhias não vençam na esfera administrativa, o êxito virá na Justiça.

Adriana Meyge | De São Paulo

Fonte: Valor Econômico via Notícias Fiscais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…