Pular para o conteúdo principal

'World Wide Web' completa 25 anos

Artigo de Berners-Lee que deu origem à rede saiu em 12 de março de 1989.
Ideia era tão ousada que corria o risco de nunca sair do papel.

Há 25 anos a internet não era mais que uma ideia de um especialista em informática desconhecido em um laboratório europeu, e ninguém sonharia que pouco depois a "World Wide Web" (www) se transformaria em um fenômeno mundial que mudou a vida de bilhões de pessoas.
O britânico Tim Berners-Lee trabalhava em um laboratório da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN) quando pensou em uma maneira fácil de acessar os arquivos de computadores interconectados.
Ele deu forma a essa ideia em um artigo publicado em 12 março de 1989, data adotada como a partida para o nascimento da "World Wide Web".
A ideia era tão ousada que corria o risco de nunca se transformar em realidade.
"Existiu uma grande dose de orgulho no início do projeto", disse em entrevista à AFP Marc Weber, criador e curador do programa sobre a história da internet no Museu da História do Computador em Mountain View, Califórnia.
"Tim Berners-Lee propôs do nada, sem que alguém tivesse pedido, todo esse sistema de gestão de documentos", e no início seus colegas o "ignoraram por completo", conta Weber.

A web e suas rivais
Em uma explicação básica, a web é um software para navegar pela informação que está on-line. Seu diferencial é a possibilidade de clicar em links para abrir os arquivos em computadores que podem estar em qualquer lugar.
Berners-Lee finalmente convenceu o CERN a adotar o sistema após demonstrar sua utilidade compilando um anuário de laboratório em um índice on-line.
Mas, mesmo assim, a batalha não estava ganha.
Os militares dos Estados Unidos começaram a estudar a ideia de conectar os computadores em redes na década de 1950, e em 1969 lançaram a Arpanet, precursora da atual internet.
Inicialmente, a web tinha rivais como CompuServe e Minitel, por exemplo. Mas eram pagas, enquanto o sistema de Berners-Lee permitia publicar conteúdo gratuitamente em máquinas conectadas à rede, disse Marc Weber.
O vice-presidente Al Gore teve um papel importante na decisão dos departamentos de governo de se incorporarem à web, e o lançamento em 1994 do site da Casa Branca foi um selo de aprovação.
A partir de então, enquanto crescia a um ritmo trepidante a quantidade de informação alojada nos servidores, gigantes como Google e Yahoo nasceram como serviços para ajudar as pessoas a encontrar páginas interessantes.
"O computador pessoal mudou nossa forma de trabalhar, mas a web revolucionou e mudou muitas áreas", diz Michael McGuire, analista da empresa de pesquisas Gartner.
A possibilidade de acessar e baixar gratuitamente os arquivos na internet transformou os modelos tradicionais de atividades como música, cinema e os meios de comunicação.
"Qualquer um pode ser um ouvinte, qualquer um pode ser um editor, na mesma rede. Nunca existiu nada como isso", disse Jim Dempsey, vice-presidente a cargo de políticas públicas no Center for Democracy & Technology, com sede em Washington.

Liberdade ameaçada
Um princípio importante da internet é sua natureza igualitária e aberta, mas essa condição está ameaçada, adverte Jim Dempsey.
"O problema é que se pode limitar a capacidade das pessoas para criticar o governo, ou criar uma internet de várias velocidades que seja mais difícil para os inovadores, os críticos ou os defensores dos direitos humanos alcançarem um público mundial".
A web unificou a internet, mas nada está "escrito em pedra" e poderia se fragmentar de novo, segundo Marc Weber.
Nos Estados Unidos, os grandes provedores de acesso à internet se atribuíram o direito de tratar de maneira preferencial alguns dados que circulam on-line.
Os governos tentam diminuir a proteção de dados privados on-line e em alguns casos restringem a liberdade de acesso à internet com o bloqueio de páginas ou serviços.
Outra questão em jogo é o acesso à web de bilhões de pessoas nos mercados emergentes, principalmente com o uso dos smartphones. "A web tem apenas meio caminho andado, e ainda não é mundial", lembra Marc Weber.

Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…