Pular para o conteúdo principal

SAT-CF - Adoção nos Estado do MT, MG, PR, SP e SE

AJUSTE SINIEF 8, DE 21 DE MARÇO DE 2014


Altera o Ajuste SINIEF 11/10 que autoriza as unidades federadas que identifica a instituir
o Cupom Fiscal Eletrônico - CF-e e dispõe sobre a sua emissão por meio do Sistema de Autenticação e Transmissão de Cupom Fiscal Eletrônico - SAT-CF-e.


O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ e a
Secretaria da Receita Federal do Brasil, na 153ª reunião ordinária do
Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, realizada em
Teresina, PI, em 21 de março de 2014, tendo em vista o disposto no
art. 199 do Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172, de 25 de
outubro de 1966) e nos art. 61, § 2º, e 63 da Lei Federal nº 9.532, de
10 de dezembro de 1997, resolvem celebrar o seguinte


A J U S T E


Cláusula primeira Fica alterada a redação dos seguintes dispositivos
do Ajuste SINIEF 11/10, de 24 de setembro de 2010:


I - a cláusula primeira:

Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Sergipe, a
instituir o Cupom Fiscal Eletrônico - SAT (CF-e-SAT), modelo 59, o
qual será emitido pelos contribuintes do Imposto sobre Operações
Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre a Prestação de Serviços
de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação
(ICMS), em substituição à emissão dos seguintes documentos fiscais:


I - Cupom Fiscal emitido por equipamento Emissor de Cupom
Fiscal (ECF) e a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2,
de que tratam os incisos II e III do art. 6º do Convênio S/Nº, de 15
de dezembro de 1970, que serão denominados de CF-e-SAT - Cupom
Fiscal;


II - Bilhete de Passagem Rodoviário, modelo 13, de que trata
o inciso VIII do Convênio SINIEF 06/89, de 21 de fevereiro de 1989,
sendo denominado de CF-e-SAT - Bilhete de Passagem Rodoviário;


III - Bilhete de Passagem Aquaviário, modelo 14, de que
trata o inciso IX do Convênio SINIEF 06/89, de 21 de fevereiro de
1989, sendo denominado de CF-e-SAT - Bilhete de Passagem Aquaviário;


IV - Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem, modelo 15, de

que trata o inciso X do Convênio SINIEF 06/89, de 21 de fevereiro

de 1989, sendo denominado de CF-e-SAT - Bilhete de Passagem e
Nota de Bagagem;


V - Bilhete de Passagem Ferroviário, modelo 16, de que trata
o inciso XI do Convênio SINIEF 06/89, de 21 de fevereiro de 1989,
sendo denominado de CF-e-SAT - Bilhete de Passagem Ferroviário.


§ 1º O CF-e-SAT será emitido por meio do Sistema de
Autenticação e Transmissão de Cupom Fiscal Eletrônico (SAT), mediante
assinatura digital gerada com base em certificado digital atribuído
ao contribuinte, de forma a garantir a sua validade jurídica.


§ 2º O CF-e-SAT:


I - é um documento fiscal eletrônico cuja emissão e cujo
armazenamento serão efetuados exclusivamente por meio eletrônico,
tendo existência apenas digital;


II - considerar-se-á emitido a partir do momento em que o
SAT gerar a assinatura digital do arquivo digital do CF-e-SAT, conforme
previsto no inciso II do caput da cláusula terceira;


III - será considerado inidôneo, sem prejuízo das demais
hipóteses previstas na legislação estadual:


a) a partir do momento em que se encerrar o prazo para
transmissão do seu arquivo digital ao ambiente de processamento de
dados do fisco, conforme periodicidade estabelecida na legislação
estadual, sem que tenha sido expedida, pela autoridade fiscal competente,
a confirmação eletrônica, endereçada ao respectivo contribuinte,
de que o referido arquivo digital foi regularmente recepcionado;


b) ainda que regularmente emitido nos termos deste ajuste e
das demais disposições da legislação tributária, quando a sua emissão
ou utilização com dolo, fraude, simulação ou erro resultar na falta de
pagamento do imposto ou em outra vantagem indevida em favor do
contribuinte ou de terceiro;


IV - a critério da unidade federada, terá sua emissão vedada
nas operações e prestações a seguir indicadas, devendo, em substituição,
ser emitida Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, ou Nota Fiscal
Eletrônica - NF-e, modelo 55:


a) operações com veículos sujeitos a licenciamento por órgão oficial;
b) operações com mercadoria e prestações de serviços em 
que o destinatário ou o tomador do serviço seja órgão da Administração
Pública;


c) operações ou prestações com valor superior a R$ 10.000,00 (dez mil reais).
§ 3º Salvo disposição em contrário prevista na legislação estadual, os contribuintes emitentes dos documentos numerados nos incisos I a V que estiverem obrigados a emiti-los pelo sistema SAT de
que trata esse Ajuste não poderão emitir esses documentos fiscais por
meio de equipamento ECF ou por qualquer outro meio.";


II - a cláusula quarta:
"Cláusula quarta O contribuinte que estiver obrigado à emissão
do CF-e-SAT deverá providenciar a impressão do extrato do CFe-
SAT para ser entregue ao adquirente da mercadoria ou da prestação
do serviço.".


Cláusula segunda Este ajuste entra em vigor na data de sua
publicação no Diário Oficial da União, produzindo efeitos a partir do
primeiro dia do segundo mês subsequente ao de sua publicação.


Presidente do CONFAZ - Dyogo Henrique de Oliveira p/
Guido Mantega; Secretário da Receita Federal do Brasil - Carlos
Alberto de Freitas Barreto, Acre - Mâncio Lima Cordeiro, Alagoas -
Maurício Acioli Toledo, Amapá - Jucinete Carvalho de Alencar,
Amazonas - Afonso Lobo Moraes, Bahia - Manoel Vitório da Silva
Filho, Ceará - João Marcos Maia, Distrito Federal - Marcia Wanzoff
Robalino Cavalcanti p/ Adonias dos Reis Santiago, Espírito Santo -
Maurício Cézar Duque, Goiás - José Taveira Rocha, Maranhão -
Claudio José Trinchão Santos, Mato Grosso - Jonil Vital de Souza p/
Marcel Souza de Cursi, Mato Grosso do Sul - Miguel Antonio Marcon
p/ Jáder Rieffe Julianelli Afonso, Minas Gerais - Leonardo Maurício
Colombini Lima, Pará - José Barroso Tostes Neto, Paraíba -
Marialvo Laureano dos Santos Filho, Paraná - Gilberto Calixto p/
Luiz Eduardo da Veiga Sebastiani, Pernambuco - Nilo Otaviano da
Silva Filho p/ Paulo Henrique Saraiva Câmara, Piauí - Antônio Silvano
Alencar de Almeida, Rio de Janeiro - George André Palermo
Santoro p/ Renato Augusto Zagallo Villela dos Santos, Rio Grande do
Norte - José Airton da Silva, Rio Grande do Sul - Odir Alberto
Pinheiro Tonollier, Rondônia - Roberto Carlos Barbosa p/ Gilvan
Ramos Almeida, Roraima - Rosecleide Gomes Barbosa p/ Luiz Renato
Maciel de Melo, Santa Catarina - Almir José Gorges p/ Antonio
Marcos Gavazzoni, São Paulo - Andrea Sandro Calabi, Sergipe -
Jeferson Dantas Passos, Tocantins - João Abrádio Oliveira da Silva p/
Marcelo Olimpio Carneiro Tavares.

por Jorge Campos

Fonte: SPEDBrasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…