Pular para o conteúdo principal

Restaurantes sonegaram R$ 40 milhões na Paraíba, aponta Receita

Empresas usavam falha em software para manipular informações fiscais.
Quase 50 restaurantes foram flagrados da ‘Operação Gourmet’.

Receita Estadual da Paraíba estima que o esquema desbaratado com a Operação Gourmet, que apontou a participação de 49 estabelecimentos comerciais em sonegação de impostos, chegue a R$ 40 milhões, o que representaria um ICMS de 7 milhões. Na sexta-feira (14), o Ministério Público da Paraíba (MPPB) e a Secretaria de Estado da Receita fizeram um balanço da operação deflagrada pela manhã tendo como alvo 49 estabelecimentos da Grande João Pessoa.

A operação contou com a participação de 80 auditores fiscais, 80 policiais militares, três delegados, dez agentes da Polícia Civil e 72 viaturas. Todos os equipamentos apreendidos foram encaminhados à Delegacia de Crimes Contra a Ordem Tributária e serão devolvidos aos proprietários apenas na segunda-feira (17). Participaram da operação Gourmet 80 auditores fiscais, 80 policiais militares, 3 delegados, 10 agentes da polícia civil e 72 viaturas.

A ação resultou no cumprimento de seis mandatos de cumprimento judicial de busca e apreensão em escritórios, residências de quatro pessoas, no bairro de Intermares, em Cabedelo. As pessoas são apontadas, pelo MPPB e a Receita Estadual, como sócias de uma empresa que forneceu o software para os estabelecimentos que registrava valores menores do que os pagos pelos consumidores.

O alvo da operação foi uma empresa de informática que desenvolvia e comercializava o aplicativo fiscal não autorizado pela Receita Estadual conhecido como ‘Mister Cooks’. O software permitia a manipulação de informações comerciais de vendas, e, inclusive, a supressão e redução dos tributos, embora o valor real fosse impresso corretamente para os clientes, segundo o secretário da Receita, Marialvo Laureano.

“Existem vários aplicativos homologados e credenciados pela Receita que poderiam ser utilizados, no entanto, alguns proprietários já entraram em contato e alegaram não saber da fraude. Todas eles serão investigados”, disse.

Marialvo Laureano reforçou que os estabelecimentos que foram identificados pertencentes ao uso do Simples Nacional deixarão de ser e os que tiverem tributação de apenas 3,4% passarão a pagar tributação normal de 17% e todo valor será cobrado pela Receita. 
Investigações prosseguem

As investigações foram iniciadas há quatro meses e, segundo o MPPB e a Receita, o aplicativo estava em uso a, pelo menos, um ano. Durante a operação foi identificada uma impressora não fiscal, uso de POS, que não pertencia à empresa fiscalizada. A equipe também apreendeu mercadorias sem declaração à Secretaria do Estado da Receita ou que apresentavam declarações divergentes.

De acordo com a promotora do Ministério Público da Paraíba, Renata Luz, todo o material recolhido nos estabelecimentos alvo de mandato serão periciados e, em caso de detectamento de indício de fraude, os responsáveis irão responder pelo processo.

“O prejuízo foi causado por todos os usuários do aplicativo. Por isso, já iniciamos a fiscalização por ordem de serviço e se for identificadas irregularidades os proprietários irão sofrer um processo administrativo e, em seguida, encontrado indício de crime será remetido ao Ministério Público”, completou a promotora.

Fonte: G1 via Leandro e cia Contabilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…