Pular para o conteúdo principal

Restaurantes sonegaram R$ 40 milhões na Paraíba, aponta Receita

Empresas usavam falha em software para manipular informações fiscais.
Quase 50 restaurantes foram flagrados da ‘Operação Gourmet’.

Receita Estadual da Paraíba estima que o esquema desbaratado com a Operação Gourmet, que apontou a participação de 49 estabelecimentos comerciais em sonegação de impostos, chegue a R$ 40 milhões, o que representaria um ICMS de 7 milhões. Na sexta-feira (14), o Ministério Público da Paraíba (MPPB) e a Secretaria de Estado da Receita fizeram um balanço da operação deflagrada pela manhã tendo como alvo 49 estabelecimentos da Grande João Pessoa.

A operação contou com a participação de 80 auditores fiscais, 80 policiais militares, três delegados, dez agentes da Polícia Civil e 72 viaturas. Todos os equipamentos apreendidos foram encaminhados à Delegacia de Crimes Contra a Ordem Tributária e serão devolvidos aos proprietários apenas na segunda-feira (17). Participaram da operação Gourmet 80 auditores fiscais, 80 policiais militares, 3 delegados, 10 agentes da polícia civil e 72 viaturas.

A ação resultou no cumprimento de seis mandatos de cumprimento judicial de busca e apreensão em escritórios, residências de quatro pessoas, no bairro de Intermares, em Cabedelo. As pessoas são apontadas, pelo MPPB e a Receita Estadual, como sócias de uma empresa que forneceu o software para os estabelecimentos que registrava valores menores do que os pagos pelos consumidores.

O alvo da operação foi uma empresa de informática que desenvolvia e comercializava o aplicativo fiscal não autorizado pela Receita Estadual conhecido como ‘Mister Cooks’. O software permitia a manipulação de informações comerciais de vendas, e, inclusive, a supressão e redução dos tributos, embora o valor real fosse impresso corretamente para os clientes, segundo o secretário da Receita, Marialvo Laureano.

“Existem vários aplicativos homologados e credenciados pela Receita que poderiam ser utilizados, no entanto, alguns proprietários já entraram em contato e alegaram não saber da fraude. Todas eles serão investigados”, disse.

Marialvo Laureano reforçou que os estabelecimentos que foram identificados pertencentes ao uso do Simples Nacional deixarão de ser e os que tiverem tributação de apenas 3,4% passarão a pagar tributação normal de 17% e todo valor será cobrado pela Receita. 
Investigações prosseguem

As investigações foram iniciadas há quatro meses e, segundo o MPPB e a Receita, o aplicativo estava em uso a, pelo menos, um ano. Durante a operação foi identificada uma impressora não fiscal, uso de POS, que não pertencia à empresa fiscalizada. A equipe também apreendeu mercadorias sem declaração à Secretaria do Estado da Receita ou que apresentavam declarações divergentes.

De acordo com a promotora do Ministério Público da Paraíba, Renata Luz, todo o material recolhido nos estabelecimentos alvo de mandato serão periciados e, em caso de detectamento de indício de fraude, os responsáveis irão responder pelo processo.

“O prejuízo foi causado por todos os usuários do aplicativo. Por isso, já iniciamos a fiscalização por ordem de serviço e se for identificadas irregularidades os proprietários irão sofrer um processo administrativo e, em seguida, encontrado indício de crime será remetido ao Ministério Público”, completou a promotora.

Fonte: G1 via Leandro e cia Contabilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…