Pular para o conteúdo principal

AM: Prazo para inscrição no 1º sorteio mensal da Nota Fiscal Amazonense encerra terça-feira

Os consumidores que informaram o CPF nas notas fiscais desde o dia 3 de agosto tem até o dia 1º de setembro para cadastrar-se no portal  nfamazonense.sefaz.am.gov.br ou no aplicativo da Nota Fiscal Amazonense, para celulares Android. Esta é a data limite para participar do primeiro sorteio mensal do Programa Estadual de Cidadania Fiscal, cujo prêmio principal será de R$ 30 mil.

Até o momento, mais de 100 mil pessoas já se cadastram e estão aptas a receber os bilhetes eletrônicos, que serão gerados automaticamente no dia 2 de setembro. O cidadão cadastrado até a data limite terá direito a um cupom virtual para cada R$ 50,00 acumulados em compras. O limite mensal é de 50 bilhetes por CPF. Todo o processo é automatizado e não será preciso se dirigir à Sefaz para trocar notas por bilhetes.

Pelos dados da Sefaz, mais de 500 mil consumidores exigiram o CPF na nota no primeiro mês da campanha, mas ainda não se cadastraram. Destes não inscritos, cerca de 1.700 foram contemplados com prêmios instantâneos de até R$ 1 mil e tem um prazo de noventa dias para informar os dados para depósito dos valores. No total, mais de 2.500 prêmios já foram sorteados diariamente.

Os prêmios mensais são mais um incentivo do Programa, que pretende tornar a exigência do documento fiscal um hábito por parte dos consumidores do Amazonas, contribuindo assim para o combate à sonegação e à concorrência desleal no comércio varejista. A consolidação da campanha junto à população permitirá o incremento da arrecadação estadual, sem aumento da carga tributária.

O primeiro sorteio mensal será realizado no dia 10 de setembro e distribuirá 4 prêmios de R$ 5 mil, 3 de R$ 10 mil, 2 de R$ 20 mil e um de R$ 30 mil, todos em valores líquidos, já descontados os impostos. Entidades sociais escolhidas pelos cidadãos contemplados receberão prêmios à parte, de R$ 2 mil até R$ 12 mil.

Sem medo do Leão

A Sefaz ressalta que os dados das notas fiscais de consumidor são protegidos por sigilo fiscal, não são compartilhados com a Receita Federal e não podem ser usados para qualquer tipo de controle sobre a renda dos cidadãos, uma vez que em cada nota pode ser informado o CPF de qualquer membro da família, por exemplo.  Até menores de idade podem participar, desde que possuam CPF.

“Não tem qualquer validade para fins de Imposto de Renda”, garante o chefe do Centro de Estudos Econômico-Tributários, Sérgio Figueiredo. “O programa é estadual e a Sefaz está atuando firme ao lado dos consumidores para combater a sonegação do ICMS. Quem não emite a nota embolsa o imposto que todos pagam em suas compras.”

Programas de cidadania fiscal já existem há quase 10 anos em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, dentre outros, onde todo dia milhões de consumidores exigem a nota com CPF sem qualquer problema com o Fisco. O programa amazonense é o primeiro do país totalmente baseado na nota fiscal eletrônica, possibilitando as premiações instantâneas.

A função do CPF na nota é garantir que somente o titular concorra aos prêmios, que serão depositados em sua conta – e impedir que suas notas sejam utilizadas por outras pessoas. “Na verdade, quem passa a ter o controle da situação é o próprio cidadão, que pode conferir em tempo real, no portal e no aplicativo, se a empresa de fato transmitiu sua nota, para que ele possa concorrer. Quem espalha boatos contra a campanha está trabalhando de graça para os sonegadores.” garante Sérgio Figueiredo.

Fonte: Sefaz AM via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…