Pular para o conteúdo principal

Contadores desempenham papel estratégico para o desenvolvimento do País

Ao participar desse processo, sabemos da responsabilidade
que temos ao ajudar os profissionais contábeis a escrever
um novo capítulo da história do Brasil.
Épocas de incertezas econômicas requerem que os cuidados sejam redobrados para manter a competitividade no mercado. É preciso acompanhar tudo de perto: preços de produtos, custos, relações com fornecedores e o fisco, processos de fabricação, logística, margens de lucro, despesas com funcionários, enfim, uma gama imensa de dados que influencia diretamente em um controle eficiente dos negócios. Nesse contexto, os contadores são fundamentais, pois eles desempenham um papel que ultrapassa a rotina operacional dos números. Eles são gestores de informações das mais diversas áreas, da fiscal e contábil passando pela parte jurídica, de recursos humanos, controladoria e tantos outros temas vitais para o bom resultado das empresas.

Desde 22 de setembro de 1945, quando foi criado o primeiro curso de Ensino Superior em Ciências Contábeis, na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, até hoje, muita coisa mudou. A data, que virou referência e, em 1982, decretada como o Dia do Contador, é um momento importante para se refletir sobre a importância crescente desses profissionais para o desenvolvimento do Brasil. Basta verificar o interesse pela profissão para ter uma ideia da dimensão que tomou nesses 70 anos. Hoje, o Brasil conta com mais de 527 mil contadores registrados e quase 50 mil empresas contábeis, segundo dados do Conselho Federal de Contabilidade (CFC).

Além de fornecerem as informações gerenciais para as empresas, também são os responsáveis por alavancar novos negócios, requisito essencial para impulsionar a economia. Uma rede de empresas contábeis optantes pelo Simples Nacional presta assessoria gratuita para quem quer ingressar na modalidade Microempreendedor Individual (MEI), que, neste ano, ultrapassou a marca de 5 milhões de inscritos. A iniciativa contribui não só para a retirada de muitos trabalhadores da informalidade, como presta auxílio na profissionalização e micro e pequenos negócios.

As grandes companhias também estão sujeitas a atualização constante e, mais uma vez, o profissional contábil dispõe das habilidades necessárias para acompanhar as novidades. Nos últimos anos, essa função tem sido ainda mais crucial, pois o governo federal implementa uma série de alterações para migrar a prestação de contas com o fisco para o ambiente digital. É aí que entra a parceria da Associação Brasileira de Automação – GS1 Brasil com os contadores. A entidade auxilia os profissionais nessa tarefa ao demonstrar como a padronização de códigos de identificação e comunicação – o código de barras, por exemplo – pode facilitar o trabalho da contabilidade no momento de transferência eletrônica de informações, como o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). Nesse contexto, há ainda a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) que, por determinação da Secretaria da Fazenda, tem a obrigatoriedade de incluir o código de barras do produto no documento.

A GS1 Brasil orgulha-se de poder colaborar com os contadores, consultores estratégicos, ao disponibilizar dados imprescindíveis sobre os padrões globais de automação que garantem uma linguagem única na comunicação entre as empresas. Para a equipe da GS1, é uma grande satisfação não só auxiliar os contadores a transformar os negócios com soluções que aprimoram a qualidade dos serviços, mas também aprender com eles, conhecendo quais são suas necessidades dentro do olhar amplo e visão de mercado, que são suas armas para orientar os clientes quanto a procedimentos, boas práticas e rotinas empresariais corretas. Ao participar desse processo, sabemos da responsabilidade que temos ao ajudar os profissionais contábeis a escrever um novo capítulo da história do Brasil.

por Virginia Vaamonde

CEO da Associação Brasileira de Automação – GS1 Brasil

Fonte: Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…