Pular para o conteúdo principal

Contadores desempenham papel estratégico para o desenvolvimento do País

Ao participar desse processo, sabemos da responsabilidade
que temos ao ajudar os profissionais contábeis a escrever
um novo capítulo da história do Brasil.
Épocas de incertezas econômicas requerem que os cuidados sejam redobrados para manter a competitividade no mercado. É preciso acompanhar tudo de perto: preços de produtos, custos, relações com fornecedores e o fisco, processos de fabricação, logística, margens de lucro, despesas com funcionários, enfim, uma gama imensa de dados que influencia diretamente em um controle eficiente dos negócios. Nesse contexto, os contadores são fundamentais, pois eles desempenham um papel que ultrapassa a rotina operacional dos números. Eles são gestores de informações das mais diversas áreas, da fiscal e contábil passando pela parte jurídica, de recursos humanos, controladoria e tantos outros temas vitais para o bom resultado das empresas.

Desde 22 de setembro de 1945, quando foi criado o primeiro curso de Ensino Superior em Ciências Contábeis, na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, até hoje, muita coisa mudou. A data, que virou referência e, em 1982, decretada como o Dia do Contador, é um momento importante para se refletir sobre a importância crescente desses profissionais para o desenvolvimento do Brasil. Basta verificar o interesse pela profissão para ter uma ideia da dimensão que tomou nesses 70 anos. Hoje, o Brasil conta com mais de 527 mil contadores registrados e quase 50 mil empresas contábeis, segundo dados do Conselho Federal de Contabilidade (CFC).

Além de fornecerem as informações gerenciais para as empresas, também são os responsáveis por alavancar novos negócios, requisito essencial para impulsionar a economia. Uma rede de empresas contábeis optantes pelo Simples Nacional presta assessoria gratuita para quem quer ingressar na modalidade Microempreendedor Individual (MEI), que, neste ano, ultrapassou a marca de 5 milhões de inscritos. A iniciativa contribui não só para a retirada de muitos trabalhadores da informalidade, como presta auxílio na profissionalização e micro e pequenos negócios.

As grandes companhias também estão sujeitas a atualização constante e, mais uma vez, o profissional contábil dispõe das habilidades necessárias para acompanhar as novidades. Nos últimos anos, essa função tem sido ainda mais crucial, pois o governo federal implementa uma série de alterações para migrar a prestação de contas com o fisco para o ambiente digital. É aí que entra a parceria da Associação Brasileira de Automação – GS1 Brasil com os contadores. A entidade auxilia os profissionais nessa tarefa ao demonstrar como a padronização de códigos de identificação e comunicação – o código de barras, por exemplo – pode facilitar o trabalho da contabilidade no momento de transferência eletrônica de informações, como o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). Nesse contexto, há ainda a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) que, por determinação da Secretaria da Fazenda, tem a obrigatoriedade de incluir o código de barras do produto no documento.

A GS1 Brasil orgulha-se de poder colaborar com os contadores, consultores estratégicos, ao disponibilizar dados imprescindíveis sobre os padrões globais de automação que garantem uma linguagem única na comunicação entre as empresas. Para a equipe da GS1, é uma grande satisfação não só auxiliar os contadores a transformar os negócios com soluções que aprimoram a qualidade dos serviços, mas também aprender com eles, conhecendo quais são suas necessidades dentro do olhar amplo e visão de mercado, que são suas armas para orientar os clientes quanto a procedimentos, boas práticas e rotinas empresariais corretas. Ao participar desse processo, sabemos da responsabilidade que temos ao ajudar os profissionais contábeis a escrever um novo capítulo da história do Brasil.

por Virginia Vaamonde

CEO da Associação Brasileira de Automação – GS1 Brasil

Fonte: Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…