Pular para o conteúdo principal

Como está seu setor de RH? E o eSocial como tem andado por lá?

Uma das áreas mais sensíveis aos resultados de toda organização é sem dúvida o Departamento de Recursos Humanos. Afirmar isto é óbvio, nós sabemos! É ‘chover no molhado’! Mas como todo o óbvio, geralmente se vê muito do RH na empresa, mas pouco se ‘enxerga’ dele.

É lá que tudo começa e infelizmente é também lá que tudo termina. O primeiro colaborador da empresa começa lá, é registrado lá, depende de lá e nunca se afasta de lá. E se ‘lá’, as coisas não vão bem, é também ‘lá’, que tudo vai acabar. Incluindo o último funcionário que fica para ‘apagar’ a luz, quando a empresa fecha.

Mas, e ‘lá’, como está? O trocadilho do ‘lá’ é proposital, mas é realmente lá, no RH que tudo precisa ser administrado, tratado, medido, registrado, processado e agora com o eSocial, o ‘lá’ vai ter que informar diariamente, isto mesmo, diariamente; ao governo tudo que acontece ‘lá’, no RH. E como dito, tudo do seu negócio, passa por lá.

Alguns itens ainda não temos ideia como serão resolvidos. E acredito que nem o governo. E talvez seja por isto que muitas datas tem sido adiadas, principalmente no eSocial.

Há no mínimo duas grandes preocupações com o eSocial que precisamos pensar com atenção, veja:

1 – A primeira preocupação é o tamanho e a magnitude do projeto eSocial que as empresas precisam abraçar e ainda não estão conscientizadas do tamanho desta ‘COISA’. E nossa preocupação é embasada na autoridade da Vilesoft em 30 anos trabalhando com soluções de gestão de pessoas – RH, em empresas de todas os tamanhos e segmentos no Brasil. A não ser consultores e palestrantes tentando falar disto e também faturar com o eSocial e, a luta imensa e isolada da maioria dos gerentes de RH; não temos visto muitos diretores e empresários, buscarem conhecimento do tamanho, implicações e das reais consequências do eSocial para seus negócios.

2 – A nossa segunda grande preocupação, é a infra estrutura de tecnologia e internet disponível no Brasil, para suportar tamanho volume de dados e transações simultâneas, de todas as operações que o eSocial determina. Os empresários que preocessam NF-e e CT-e todos os dias, sabem dos transtornos que passam, quando ficam sem internet e precisam usar os recursos de contingências. E haja banda larga para atender à todas as demandas da empresa para seus processamentos. E ainda estar conectada ao mundo, às redes sociais, à rede bancária e ter que se adaptar para manter sua cadeia de abastecimento e seu departamento comercial on-line, com clientes e fornecedores. Vamos ter que aumentar mais a banda larga? Para empresas em grandes centros, com infra-estrutura de grande velocidade disponível, como em capitais, isto será amenizado. Mas, e as empresas que estão nos interiores deste país, onde internet banda larga ainda é um ‘luxo’ e caro? Lá também tem muitas empresas sujeitas ao eSocial, como vão fazer?

E aí, como ficam estas questões?

– Sobre a nossa primeira preocupação, acreditamos que a partir de janeiro de 2016, após a implantação obrigatória também do SPED Bloco K; mais um item que o governo exigiu; e já falamos dele aqui em outros artigos; o eSocial irá ‘ferver’ e os empresários e gestores de RH, irão focar mais e voltar seus olhares para este assunto. E então, com certeza irão gerar ações e projetos mais assertivos para implantação com sucesso do eSocial. Esta é nossa grande esperança. E para os que querem acordar um pouco antes do próximo ano, temos um grupo sobre eSocial no LinkEdin com mais de 650 membros selecionados; são só profissionais de RH, gestores e empresários. Lá tem concorrentes, contribuintes, governo, gestores, experientes e até novatos no RH. Talvez você também possa colaborar para resolver esta nossa preocupação. Segue o link, se você se interessar: https://www.linkedin.com/grp/home?gid=5176166.

– Sobre infra-estrutura, nossa segunda preocupação, acreditamos que como em um ano em tecnologia, são dez em evolução, também será resolvida ou muito amenizada. Podendo o eSocial ser inclusive, um agente alavancador de maior democratização da internet em pequenas cidades, mais distantes dos grandes centros e baixa ou nenhuma disponibilidade de banda larga.

– Outro ponto essencial é o Empresário se preocupar mais com seu Departamento de RH, oferecendo a ele, melhores soluções em softwares que realmente facilite e permita que as informações que são processadas diariamente na folhade pagamento, ponto eletrônico e medicina do trabalho, sejam automaticamente integradas ao eSocial. Isto será essencial para não aumentar mais os custos das empresas e automatizar tarefas do eSocial, que irão demandar maistempo e alocação de profissionais especializadas no setor de RH. Este tem sido o principal foco da Vilesoft com nossos clientes, gerar o eSocial mais automaticamente possível sem aumentar custos de mão de obra ou maiores especializações. Estamos automatizando o eSocial e não somente mecanizando.

O eSocial trará sem dúvidas, transformações importantes. Trará dificuldades, mas também inovações e possibilidades com os novos desafios. E a curto e longo prazo diminuirá a burocracia e dará mais transparência para todos da sociedade. Menos papel, mais velocidade e esperamos; mais tempo para as pessoas aproveitarem a vida. Afinal, trabalhamos para viver não é verdade! E que vivamos melhor!
Fica aí o alerta. Não deixe para última hora, sempre fica mais caro, é desgastante e sua empresa pode perder oportunidades únicas de subir aqueles degraus há muito desejados e necessários ao seu negócio.

Por Roger Maia

Fonte: CIO via José Adriano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…