14 de set de 2015

Dólar opera quase estável de olho em CSLL

Notas de dólar: agentes financeiros continuavam atentos à possibilidade de o Banco Central ampliar a atuação no câmbio


São Paulo - O dólar reduziu a alta e operava quase estável sobre o real nesta quinta-feira, por expectativas de vendas de divisas após a Câmara aprovar o texto-base da MP que eleva a CSLL sobre instituições financeiras, além de entradas de divisas com fim de puxar para baixo a Ptax, taxa estimada pelo Banco Central que serve de referência para diversos contratos cambiais.

Às 13:10, o dólar tinha leve alta de 0,01 por cento, a 3,7603 reais na venda. Na máxima da sessão, a moeda norte-americana atingiu 3,8175 reais, maior nível intradia desde 11 de dezembro de 2002 (3,8200 reais), em meio ao quadro local conturbado. Enquanto na mínima, a divisa recuou 0,21 por cento, a 3,7519 reais.

"(A queda) aconteceu justo quando a Câmara dos Deputados iniciou a votação da medida provisória que aumenta a alíquota da Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) do setor financeiro", escreveu o operador da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa, em nota a clientes.

Segundo o texto-base aprovado pela Câmara, a CSLL subirá para 20 por cento até 1º de janeiro de 2019, ante os atuais 15 por cento, o que pode levar bancos brasileiros com subsidiárias no exterior a vender dólares para manter sua proteção cambial.

Essas expectativas se somaram, segundo operadores, a entradas de divisas relacionadas ao cálculo da Ptax.

"Desde cedo, o mercado está tentando puxar a Ptax para baixo", disse o gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho.

A moeda norte-americana vinha operando em alta pela quarta sessão seguida desde o começo dos negócios, refletindo as preocupações com o futuro do ajuste fiscal.

No início da semana, o governo enviou ao Congresso Nacional proposta para o Orçamento de 2016 prevendo inédito déficit primário. A notícia deu força a preocupações com o comprometimento do governo com o ajuste fiscal e com a perda do selo de bom pagador do Brasil, catapultando o dólar em relação ao real.

"Não tem novidade: o cenário local está cada vez mais deteriorado", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Nesse contexto, agentes financeiros continuavam atentos à possibilidade de o Banco Central ampliar a atuação no câmbio, uma vez que a alta do dólar sobre o real tende a pressionar a inflação.

"O mercado está desconfiado. O BC está quieto demais", disse o operador de câmbio de uma corretora nacional.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de até 9,45 mil contratos de swap cambial tradicional, que equivalem a venda futura de dólares, para a rolagem do lote que vence no próximo mês.

Ao todo, o BC já rolou 1,369 bilhão de dólares, ou cerca de 14 por cento do total de 9,458 bilhões de dólares e, se continuar neste ritmo, vai recolocar o todo o lote.

Da REUTERS

Fonte: Exame.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhando idéias e experiências sobre o cenário tributário brasileiro, com ênfase em Gestão Tributária; Tecnologia Fiscal; Contabilidade Digital; SPED e Gestão do Risco Fiscal. Autores: Edgar Madruga e Fabio Rodrigues.

MBA EM CONTABILIDADE E DIREITO TRIBUTÁRIO DO IPOG

Turmas presenciais em andamento em todo o Brasil: AC – Rio Branco | AL – Maceió | AM – Manaus | AP - Macapá | BA- Salvador | DF – Brasília | ES – Vitória | CE – Fortaleza | GO – Goiânia | MA - Imperatriz / São Luís | MG – Belo Horizonte / Uberlândia | MS - Campo Grande | MT – Cuiabá | PA - Belém / Marabá / Parauapebas / Santarem | PB - João Pessoa | PE – Recife | PI – Teresina | PR – Curitiba/ Foz do Iguaçu/Londrina | RJ - Rio de Janeiro | RN – Natal | RO - Porto Velho | RR - Boa Vista | RS - Porto Alegre | SC – Florianópolis/Joinville | SP - Piracicaba/Ribeirão Preto | TO – Palmas

Fórum SPED

Fórum SPED