Pular para o conteúdo principal

Recessão deve aumentar com unificação do PIS-Cofins

Projeto do Ministério da Fazenda pode gerar caixa de R$ 32,5 bilhões apenas sobre o setor de Serviços, que pretende repassar o aumento para o consumidor, pressionando os preços e aprofundando a recessão

Aumento de impostos deve abastecer Tesouro, mas diminuir a atividade econômica


Desemprego, inflação e recessão ainda maior. Este é o prognóstico de empresários e especialistas do mercado financeiro para a proposta do governo federal de unificar o PIS e o Cofins, impostos cobrados pela União sobre o faturamento de médias e grandes empresas, inclusive públicas.

Os primeiros sinais sobre a mudança foram dados pela própria presidente Dilma Rousseff em janeiro, quando mencionou a reforma do PIS-Cofins como opção para “agilizar o aproveitamento de créditos tributários pelas empresas”. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, voltou ao assunto no dia 13 de julho, quando afirmou que a mudança “fica naquela categoria dos [projetos] que estão preparando o Brasil para crescer.”

Não é o que aponta levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), de julho. O estudo conclui que a unificação pressionaria a inflação porque, só as empresas de serviços, repassariam para o consumidor um reajuste médio de 4,3%. Esse repasse teria impacto de 0,6 ponto percentual sobre a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), hoje em 9,56%.

O setor deve ser mais afetado que a Indústria e o Comércio porque mais de 50% dos custos do segmento é com mão-de-obra, enquanto essa proporção é de 20% na Indústria. O estudo indica que Serviços passariam a transferir para o governo um montante de R$ 32,5 bilhões por ano.

Responsável por contratar o estudo, o presidente da Fenacon (Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas), Mario Berti, lamenta a sugestão do governo: “A simplificação e unificação de tributos é sempre importante, mas as regras do jogo devem ser mantidas, sem aumento de impostos, já que na prática é o consumidor que paga todo e qualquer tributo embutido no preço”.

Além do aumento dos preços, a recessão confirmada na sexta-feira (28) pelo IBGE pode se aprofundar. “A medida afeta principalmente as empresas que não têm margem de lucro suficiente para absorver um aumento de tributos desse porte”, avalia Bernardo Oliveira, diretor da Andersen Tax no Brasil, uma empresa americana de consultoria tributária. “O resultado disso é que postos de trabalho poderão ser fechados, contribuindo para o círculo vicioso da inflação e da estagnação .”

Esse aumento de impostos, ressalta Oliveira, gera ainda outro efeito negativo para o governo: “a perda da credibilidade junto aos investidores.”

Wanderley Preite Sobrinho

Fonte: Brasileiros

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…