Pular para o conteúdo principal

Função x Bigdata. Ou, quando meu emprego desaparecerá?

Insinuações não valem mais: o “sistema”– seja ele qual for – invadiu sem dó o “espaço” dos humanos no mundo do trabalho. Sobre este fato, melhor esquecer a choradeira. O grave é que na visão de muita gente a pergunta não é mais “se” esta ou aquela função será substituída, mas “quando” isso acontecerá.

É melhor ter cautela sobre definições muito absolutas sobre o “quando”. Mas, dois pesquisadores de Oxford, Carl B. Frey e Michael A. Osborne, construíram uma escala de risco e identificaram que 47% das ocupações humanas poderão ser automatizadas em até uma década. O que interessa não é a data, mas o processo, o grau de risco de qualquer ofício ser automatizado.

A lógica dos pesquisadores de Oxford é herdeira de outras percepções. Em 2003, dois professores do MIT, David H. Autor e Brendan Price, redefiniram o conceito de rotina dividindo-o em “cognitiva” (classificar, codificar) e “manual” (linha de produção). Para eles, tarefas não rotineiras estavam protegidas por pedirem “solução de problemas”, porque exigiam “intuição, persuasão e criatividade”. Este artigo está em http://economics.mit.edu/files/9758

O alívio durou pouco. Em artigo de 2013, Frey e Osborne , partiram de “outro exame da natureza da tarefa humana” para discutir padronização de qualquer função. Quem permitiu esse outro “exame” foi o Bigdata. Basta pensar no “carro sem motorista” para entender. Todos os dados que constroem a decisão do motorista digital estão previstas na “padronização” dos dados acumulados e transmitidos do Bigdata.

Não é diferente com análise de crédito, redação de contrato jurídico, leitura de exame médico, ou fazer música ou poesia (não isso NÃO! Nunca!) Ou seja, o Bigdata padroniza as tarefas que exigem intuição, persuasão e criatividade.

Com a percepção desta possibilidade, Frey e Osborne observaram as 903 ocupações listadas no Departamento do Trabalho dos EUA e, cruzando dados com as possibilidades da automação, perceberam que 702 das ocupações enfrentavam “graus de risco” de padronização. Os 47%vieram deste cruzamento.

O estudo está em www.oxfordmartin.ox.ac.uk/downloads/academic/The_Future_of_Employment.pdf
Muita gente alerta para o grau de resistência dos humanos, que pode alterar esse “quando”. Porém, convém não subestimar o poder do Bigdata. Nem, o da redução de custos. Nem, o da eficiência.

Por Leonardo Trevisan, professor da PUC

Fonte: Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…