Pular para o conteúdo principal

19 estados passarão a recolher ICMS de mídias digitais



Numa tirinha antiga do Ed Mort, ao ser questionado porquê diabos o detetive particular (um dos bons personagens do Luís Fernando Veríssimo) era torcedor do América ele respondeu que isso era uma provação tão grande que “fortalecia o caráter”. Isso pode muito bem ser estendido ao brasileiro em geral, que tem que se virar com um salário ridículo e um custo de vida alto, e a sanha do governo de inventar imposto até do ar.

Como se não bastasse o fim da Lei do Bem, cujos efeitos já podem ser sentidos nos preços finais de computadores e dispositivos móveis, o Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) aprovou a criação do Convênio ICMS Nº 181, que autoriza a cobrança do imposto em 19 estados sobre vendas de softwares e serviços de suporte, inclusive os distribuídos de forma digital.


O acordo foi fechado no dia 28 de dezembro (é normal leis, acordos e medidas provisórias controversos serem aprovados nas festas de fim de ano, quando ninguém está prestando atenção) e define cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços de no mínimo 5% sobre “operações com softwares, programas, jogos eletrônicos, aplicativos, arquivos eletrônicos e congêneres, padronizados, ainda que sejam ou possam ser adaptados, disponibilizados por qualquer meio, inclusive nas operações efetuadas por meio da transferência eletrônica de dados.” Em suma, apps, programas, jogos e serviços de suporte, provedores de serviços na nuvem e outros tipos de SaaS (Software as a Service) serão todos afetados.

19 secretários da Fazenda assinaram o acordo, que passa a valer nos estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. Ficaram de fora Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Roraima e Sergipe.

O norma diz também que os estados são autorizados a deixar de exigir, de forma total ou parcialmente os débitos fiscais do ICMS já lançados em autos de infração ou não, inclusive juros e multas, relacionados a operações ocorridas até o início da vigência do convênio. “Com isso fica subentendido que, segundo o CONFAZ, os Estados podiam cobrar ICMS do download no passado”, diz o advogado Maurício Barros.

O mesmo afirma, no entanto que  “em relação a cobranças retroativas ou de 2016 em diante, a medida pode ser questionada na Justiça”. Para Barros, sem uma lei que institua a cobrança o convênio não pode instruir novos fatores geradores de receita ao incluir congêneres e transferência eletrônica de dados, sem falar que considerando a Lei Complementar Nº 116/2013, que determina recolhimento de ISS sobre software temos aqui um caso de bitributação.

Vale lembrar que não tem muito tempo que o governo de São Paulo estipulou, através de decreto do governador Geraldo Alckmin o recolhimento de até 18% sobre software no estado, seja físico ou digital. A ideia agradou, obviamente. Tributaristas vêem brechas no acordo que possam valer ações na justiça para impedir a cobrança nos estados.

Novamente, parabéns a todos os envolvidos.

Por Ronaldo Gogoni

Fonte: Convergência Digital via Meio Bit

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…