Pular para o conteúdo principal

Fiz O Planejamento Tributário. E Agora? Economista Destaca 7 Passos Para Empreendedores Conquistarem O Desenvolvimento E A Saúde Financeira Dos Negócios

Somente a busca da execução de um bom planejamento tributário, o que vai ao encontro de uma melhor posição financeira, não é a única ação que deve a empresa adotar sem levar em conta as outras necessidades para o seu desenvolvimento.

Na verdade, o que queremos lembrar é que o planejamento tributário não é a panaceia que vai salvar a empresa, porque na atualidade enfrentamos um ambiente muito exigente.

Muito se fala em planejamento tributário e logo entendemos que esta é uma das tarefas indispensáveis que contribuem nas finanças da empresa. Mas será apenas essa atitude que o empreendedor deve adotar para conquistar o desenvolvimento do seu negócio e a saúde financeira?

Na verdade, o que queremos lembrar é que o planejamento tributário não é a panaceia que vai salvar a empresa, porque na atualidade enfrentamos um ambiente muito exigente. E isso está sinalizado pela situação da economia atual, onde encontramos os elevados juros praticados no mercado, o forte aspecto seletivo na concessão de crédito, os altos encargos sobre o valor da folha de pagamento, a complexidade do sistema tributário brasileiro - que exige das empresas a montagem de estruturas próprias para poder dar conta do assunto - isso tudo sem levar em consideração os desafios diários para competir com a concorrência.

Desta forma, somos da opinião que a empresa é um conjunto de áreas que devem atuar e nivelarem-se como um verdadeiro sistema que atuam de forma harmônica.

O certo é que o processo de gestão considere que a empresa só vai alcançar uma boa rota de desenvolvimento se atentar para um conjunto de ações a fim de buscar um processo integrado de promoção de melhorias.

Somente a busca da execução de um bom planejamento tributário, o que vai ao encontro de uma melhor posição financeira, não é a única ação que deve a empresa adotar sem levar em conta as outras necessidades para o seu desenvolvimento.

Destacamos sete pontos que não devem ser deixados em um patamar inferior:

- Assim que definidos a missão e os objetivos da empresa, dê início ao planejamento estratégico. Uma vez sabendo onde se quer chegar, o próximo passo será definir como chegar até lá, ou seja, a definição da estratégia e seus desdobramentos para atingir tais objetivos;

- Tenha uma estratégia bem clara e objetiva. Afinal, é por meio do planejamento que se torna possível traçar os rumos do novo empreendimento;

- Faça um planejamento cuidadoso. Pois, a falta dele é um dos motivos que fazem os empreendedores fecharem suas portas;

- Sempre fique de olho no que acontece no mercado. Este é o passo que deve identificar como sua empresa poderá ser impactada pelas ameaças e oportunidades do ambiente externo, agora e no futuro. Olhar o ambiente onde o negócio está inserido é sempre uma maneira de se preparar para o que pode acontecer.

- Conheça todos os lados de sua empresa. Saiba o que você oferece de bom e o que você ainda tem a melhorar. Como fazer isso? Identifique quais são os fatores críticos de sucesso de seus concorrentes para realizar uma análise comparativa de seus pontos fortes e fracos com relação a essa concorrência. Pode ter certeza que será mais fácil realizar uma análise interna.

- Desenvolva o seu plano de ação: depois de conseguir identificar quais são as oportunidades e as ameaças do ambiente em que sua empresa está inserida, fica mais fácil definir os objetivos estratégicos.

- Acompanhe cada passo. Foque em acompanhar a implementação de perto para avaliar se será necessário rever a estratégia. Avalie a eficácia por meio de métricas e indicadores que devem ser definidos anteriormente.

Somente com todas essas informações e estabelecendo uma visão de futuro concreta você poderá buscar um verdadeiro processo de desenvolvimento da sua empresa. Ou seja, o planejamento tributário por si só não garante o desenvolvimento da empresa e sim, faz parte de um conjunto de iniciativas que devem ser adotadas.

Por José Luiz Amaral Machado, economista e fundador da Gerencial Auditoria e Consultoria

Fonte: segs

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…