Pular para o conteúdo principal

Estrutura tributária é fonte de desigualdades, afirma Dilma

A presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (15) que o Brasil tem uma estrutura muito mais baseada no imposto regressivo (indireto) do que no progressivo e que é importante mudar essa situação. “O Brasil precisa encarar essa questão de os impostos serem regressivos, e não progressivos. Isso é fonte de desigualdades. Essa é uma das questões que, antes do final do meu governo, eu vou olhar”, disse Dilma, em café da manhã com jornalistas, no Palácio do Planalto.

Segundo a presidenta, a mudança tem que ser feita “com muito cuidado para que não passe de uma estrutura como é a nossa. fundamentalmente de tributação indireta para uma só de tributação direta”. “Tem de equacionar essa questão. [A proposta] de juros sobre capital próprio e ganhos de capital já é uma parte disso”, afirmou.

Dilma destacou que, com o princípio da anterioridade [o imposto só pode ser cobrado no ano seguinte à sua aprovação], qualquer mudança só passará a valer em 2017, se for aprovada neste ano.

A presidenta ressaltou que o governo também está focado no Programa de Integração Social (PIS) e na Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), porque criam “maiores problemas jurídicos” para as empresas. “Tem problema de acúmulo de crédito. Vamos tentar resolver esse problema. Já temos uma proposta para o PIS e estamos vendo para a Cofins.”

Dilma disse que esses tributos e o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) são fundamentais para criar “um ambiente favorável de investimento no Brasil”.

Programas sociais

Ao comentar as alterações em benefícios trabalhistas e previdenciários feitas no ano passado e a redução de investimentos em programas sociais, a presidenta disse que é necessário reformar as políticas de governo para que elas sejam preservadas.

“Em nenhuma circunstância, nós tiramos direitos dos trabalhadores. Nós melhoramos as políticas. Tem gente que reforma para acabar; nós reformamos para preservar. Quando a realidade modifica, você tem que mudar suas políticas. Nós tentamos de todas as formas manter os programas sociais”, afirmou Dilma. Ela citou o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e o Minha Casa, Minha Vida.

Segundo a presidenta, o país está fazendo o que faz o setor privado diante das dificuldades. “Estamos alongando o desembolso, mudando o cronograma e só fazendo aquilo para que já se tem dinheiro. Além disso, este ano, temos um objetivo. Colocar em dia aquilo que está em andamento, completar o que se iniciou e voltar à política de só abrir quando nós tivermos os recursos.”

Dilma disse também que entende as críticas que recebe do seu próprio partido, o PT, e de centrais sindicais como a CUT (Central Única dos Trabalhadores), mas afirmou que, “muitas vezes”, o governo aprendeu e acatou sugestões dadas por eles.

Temer e PMDB

Na conversa com os jornalistas, Dilma falou também suas relações com o vice-presidente Michel Temer. A presidenta disse que ela e o governo têm “toda consideração” por Michel Temer, que é o presidente do PMDB, partido da base aliada.

Após o esfriamento das relações entre os dois, com a abertura do processo de impeachment da presidenta e o envio à presidenta de uma carta de Temer com críticas a ela, Dilma informou que ambos têm duas reuniões marcadas, “uma especificamente para esta semana”.

“Para nós, é muito importante também uma relação de absoluto respeito, de proximidade fraterna com o vice-presidente Temer”, disse a presidenta, que se referiu ainda ao partido de Temer, dizendo que o governo não pode querer “guerra entre os partidos”.

“É muito importante para o governo, e para qualquer partido, que esse partido esteja harmônico, unido, e que esta seja uma situação que leve à estabilidade das relações. O governo não pode querer guerra entre partidos, nem intrapartidos. Nós não interferimos, sob nenhuma circunstância, nas questões internas”, afirmou.

Fonte: Agência Brasil via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…