Pular para o conteúdo principal

Que sistema meu escritório contábil deve adotar?

Hoje há no mercardo uma infinidade de sistemas que automatizam as
operações contábeis, fiscais, tributárias e trabalhistas.
Muita gente tem me questionado sobre esse ponto. Qual seria, afinal, o melhor sistema para a automação das tarefas de um escritório contábil? Em primeiro lugar, há um entendimento equivocado com relação ao uso da tecnologia neste setor. A maior parte dos escritórios cai no “canto da sereia” e adota tecnologias sem o menor planejamento. O resultado, na maioria das vezes, é desastroso: mais custos, estresse e prejuízos.

O caminho é estudar, diagnosticar seu modelo de negócios, público-alvo e oferta de valor. A partir disso, é possível promover uma remodelagem no padrão e na arquitetura tecnológica para atendimento e captação de clientes. Ferramentas inovadoras, temos várias. Mas qual delas realmente vai maximizar as receitas e reduzir meus custos? Depende justamente do público-alvo e da oferta de valor. Sem essa análise, qualquer investimento em TI não passa de mera pirotecnia.

Hoje há no mercardo uma infinidade de sistemas que automatizam as operações contábeis, fiscais, tributárias e trabalhistas. Além destes, temos portais de atendimento a clientes, sistemas de CRM, gestão de custos, ERPs, mídias digitais, EAD, blogs, comunidades etc. Investir em tudo ao mesmo tempo é sinal de amadorismo. E decidir quais tecnologias utilizar sem a definição prévia do modelo de negocios equivale a jogar “roleta russa” com a sua empresa.

A primeira análise a fazer tem relação com o segmento de mercado que o escritorio vai atender. No Brasil, com mais de 40 alterações tributárias por dia e 11 milhões de regras fiscais, não há sistema que atenda às peculiaridades de todos os setores de atividade. Mais ainda, a definição de segmento de mercado não se limita à identificação de quais ramos de atividade seu escritório poderá atender. Ou seja, definir seu público seu público-alvo somente pelo código CNAE das empresas é inócuo. É preciso entender mais caracteristicas, tais como expectativas com relação à conformidade legal, perfil tecnológico, demandas gerenciais e maturidade gerencial dessas empresas.

Quando não se conhece em detalhes o perfil dos clientes, nem as técnicas de planejamento e gestão, as decisões são tomadas baseadas em crenças pessoais. Por exemplo, há muita gente investindo em produção de vídeos de conteúdo empresarial. Mas, os conteúdos estão alinhados com os interesses do seu público alvo? Mais ainda, será que todo mundo quer mesmo assistir vídeos?

Quem atende clientes que têm baixa percepção de valor com relação aos serviços contábeis, deve trabalhar com um modelo de negócios enxuto, de custo reduzido. Para isso, é fundamental automatizar o relacionamento com eles. Uma solução inteligente é atendê-los por canais eletrônicos, de forma padronizada.

Já quem tem a carteira formada por empresas de maior complexidade operacional, que demandam serviços de maior valor, pode investir no uso de sistemas integrados de gestão (ERP), focando a oferta em serviços consultivos.

Dependendo do perfil do público-alvo, o ERP deverá ser instalado na infraestrutura do próprio cliente, ou então na do escritorio contábil. Nesta última hipótese, atua-se como uma espécie de hospedeiro de todo o aparato tecnológico e administrativo do contratante.

Agora, quando temos o ERP instalado na empresa, a organizacão contábil tem duas alternativas: integrar o ERP com seus sistemas contábeis/fiscais/trabalhistas ou usar essas funcionalidades diretamente no ERP do cliente.

O primeiro passo para definir a arquitetura tecnológica que irá aumentar a percepção de valor dos clientes e as receitas, além de reduzir os custos, é justamente ter uma boa estratégia de negócios. É preciso clareza na definição de questões como: quem é meu cliente? O que ele quer de mim? Quais são suas “dores”? Como posso entregar o que meu cliente quer? Como posso aliviar suas “dores”? Qual o nível de maturidade empresarial e tecnológica desta carteira?

Enfim, como dizem os antigos, “quando a cabeça não funciona, o corpo padece”. Traduzindo: a estratégia precede a ação. Quem insistir em atender mercados diferentes com soluções iguais certamente sofrerá com o prejuízo gerado pela comoditização dos serviços prestados.

por Roberto Dias Duarte

Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Franquia Contábil, primeira deste setor no país.

Fonte: Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…